Aeroporto não para de revelar Mamutes no México, na maior descoberta da história

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Poucos meses atrás, apresentamos aqui no AEROIN a histórica descoberta feita durante os trabalhos de construção do novo aeroporto da Cidade do México, que fica a cerca de 40 km da capital mexicana.

No final de maio desse ano, arqueólogos mexicanos identificaram mais de 60 ossadas como pertencentes a pré-históricos mamutes. Os cientistas do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH) identificaram os animais como pertencentes à era do Pleistoceno, de 12.000 anos atrás.

Os fósseis haviam sido encontrados numa aérea situada entre a torre de controle e uma das pistas planejadas. O aeroporto está sendo construído no terreno da Base Aérea de Santa Lúcia, e se chamará Felipe Ángeles International Airport.

Naquele momento, o arqueólogo chefe Pedro Francisco Sánchez Nava afirmou que provavelmente os animais morreram após ficarem presos na lama, em um lago que existia no local, e que não descartava encontrar mais fósseis do gigantesco animal. E ele estava certo.

Segundo o mexicano La Jornada, penas 3 meses depois, já foram encontrados três vezes mais esqueletos na mesma área. As escavações já revelaram ao menos 200 esqueletos, e ainda podem haver mais.

Além dos 200 mamutes, também já foram encontrados os restos de 25 camelos e cinco cavalos. As descobertas são tantas que os pesquisadores agora acompanham cada escavadeira que escava o solo durante a construção do aeroporto, segundo reporta o El Universal. O objetivo é que as obras sejam conjuntas, para que uma atividade não suspenda a outra.

A descoberta é gigantesca considerando que o recorde mexicano anterior era o de restos mortais de pelo menos 14 mamutes em Tultepec. No local, foi criado o Museu Mammoth, mas esses achados anteriores ficaram pequenos diante da magnitude de Santa Lúcia.

E se for confirmado que os esqueletos são mesmo de tantos mamutes diferentes, a pesquisa no México se tornará uma referência mundial, já que até agora o registro do maior número de esqueletos da espécia encontrados em um só lugar é de Dakota do Sul, onde 61 foram localizados. Que grande descoberta!

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias