Aeroportos recebem centenas de cães resgatados do mercado de comida chinês

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Aeroporto JFK, foto de Brandon Van Acker, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia

Quem atua na aviação vê de tudo, todos os dias. De tempos em tempos, aeroportos dos Estados Unidos recebem voos de aviões cargueiros contendo uma carga especial vinda da China. Foram centenas de cães, resgatados de mercados de comida que encontram novos donos na América. Apenas no último mês, a imprensa norte-americana reportou casos envolvendo mais de 100 animais, que pousaram em Los Angeles, Nova Iorque e Miami, dentre outros.

Embora a cultura de cada um deve ser respeitada, é inegável que pensar em comer um cachorro é algo pouco provável no ocidente. A China Rescue Dogs, uma organização de bem-estar animal dedicada a resgatar e reabilitar cães salvos do comércio de carne da China e levá-los para os Estados Unidos e o Canadá, é uma das organizações mais atuantes nesse sentido.

NY

Recentemente, a organização ajudou a mandar um grupo de 29 cachorros para o Aeroporto Internacional John F. Kennedy, de Nova Iorque (vide fotos que ilustram essa matéria).

O grupo de filhotes, muitos deles da raça Golden Retriever, foi retirado do comércio de carne de cachorro da China e levado para os EUA em um avião de carga. Depois de pousar no JFK, vários dos cães se encontraram com suas novas famílias, que concordaram em adotar os filhotes sem conhecê-los primeiro. Outros, foram levados a centros de reabilitação e socialização.

“Muitos desses lares estão lidando com a perda de um emprego, de um membro da família ou de um animal de estimação, e esses cães chegam e são tão gratos por finalmente terem um lar de verdade que fazem o que sabem de melhor – fornecer amor incondicional”, disse Jill Stewart, fundadora da China Rescue Dogs, em um comunicado sobre a chegada dos 29 cães da China.

Foto da China Rescue Dogs

Voos de carga

O processo de resgate, no entanto, é custoso e as restrições de viagem vigentes tornaram impossível para a China Rescue Dogs depender de voos comerciais de passageiros e voluntários para transportar cães para os EUA (pessoas que se dispunham a trazer o animal como se fosse seu). Agora, a organização deve contar com aviões de carga para transportar os cães, um processo muito mais custoso que muitas vezes acaba custando US$ 3.500 por cão.

Ainda assim, a China Rescue Dogs não permitiu que essas restrições interrompessem seu trabalho. A organização agora está trabalhando para levantar os fundos necessários para enviar outro grupo de filhotes.

“Com o apoio do público, podemos continuar a resgatar o maior número possível de cães. Nosso programa de resgate de fase 2 espera resgatar e salvar mais de 150 cães”, acrescentou Stewart no comunicado.

A China Rescue Dogs faz captações de recursos junto ao público através de seu site.

Foto da China Rescue Dogs
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias