Air Europa vai dispensar 60% do seu pessoal e negócio com a Iberia está em risco

Com o programa de retenção de empregos do governo espanhol definido para expirar em 30 de setembro, a Globalia, controladora da Air Europa, disse que tentará forjar um acordo alternativo de licença não-remunerada com seus sindicatos, caso o esquema do governo não seja renovado pela sexta vez, fontes do grupo de turismo disseram ao jornal El Confidencial.

O governo propôs uma nova extensão da ERTE até 31 de janeiro de 2022, mas disse que seria desta vez condicional aos funcionários em treinamento, bem como outras ressalvas, o que gerou uma reação entre os sindicatos.

Dispensas

As dispensas temporárias (mas sem um prazo definido), são necessárias devido à queda nas reservas e previsões de demanda para a temporada de inverno no hemisfério norte, podendo afetar cerca de 9.000 funcionários nas empresas Globalia, incluindo Air Europa, Be Live Hotels e GroundForce. 

Os cinco milhões de passageiros aéreos internacionais que chegaram à Espanha em agosto, de acordo com dados divulgados na semana passada, representam um aumento de 172% em relação ao ano anterior, mas são menos da metade dos níveis pré-pandêmicos. Por consequência, as operações da Globalia estão bem abaixo dos níveis observados em 2019.

Por sua vez, a Iberia, que tenta comprar a Air Europa por meio de seu controlador, o International Airlines Group (IAG), também disse na semana passada que iria propor uma licença para mais de 5.000 empregados se o regime governamental não for estendido.

Redução de salário negada

Em julho, funcionários da Air Europa, incluindo pilotos, tripulação de cabine e pessoal de terra, rejeitaram um corte de 6% no salário até o final do ano, que a companhia aérea disse na época garantiria sua sobrevivência. Os sindicatos questionaram a medida citando os altos salários dos conselheiros da empresa.

Em resumo, os US$ 558 milhões em empréstimos estatais até agora concedidos à Air Europa não foram suficientes para garantir a viabilidade da companhia aérea, e fontes disseram ao El Confidencial que ela buscaria mais ajuda de até US$ 176 milhões.

A fusão

A terrível situação enfrentada pelas principais operadoras de longa distância da Espanha pode colocar em dúvida a aquisição da Air Europa pelo IAG.

“Neste momento existe um preço fixo. O preço acordado foi de 587 milhões de dólares. E penso que temos que ver depois da análise dos órgãos antitruste e da evolução da Air Europa. Se ela realmente precisa de capital, queremos ver qual é será a foto final antes de decidir”, Javier Sánchez-Prieto, presidente executivo da Iberia.

A Comissão Europeia estendeu recentemente até 3 de dezembro sua investigação da oferta do IAG para comprar a Air Europa.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Falha grave de segurança faz passageiro embarcar em voo com arma...

0
Um homem voou numa aeronave da American Airlines de Bridgetown, em Barbados, para Miami, levando consigo uma arma de fogo