Mais uma aérea coloca, de imediato, pilotos de volta à ativa ao ver retomada da demanda

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Imagem: Laurent ERRERA / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

A Air India cancelou, com efeito imediato ontem, 1º de março, as licenças que havia dado a seus pilotos em meio à crise, como consequência do aumento atual do número de passageiros na aviação doméstica do país.

De acordo com a mídia indiana, um comunicado interno informa que todas as licenças de tripulantes de cockpit foram retiradas com efeito imediato. A comunicação observa apenas que as licenças podem ser concedidas em casos extremos e avaliadas caso a caso, dependendo da situação.

A medida da Air India vem pouco depois de o ministério da aviação civil ter dito, no final de fevereiro, que as companhias aéreas indianas podem aumentar, até 31 de março ou até o início do horário de verão, para 80% seus níveis operacionais em relação ao período pré-COVID.

Em um comunicado nesta segunda-feira, o ministério disse que 313.668 passageiros domésticos foram transportados por companhias aéreas em 28 de fevereiro, o maior número desde a retomada dos voos locais em 25 de maio de 2020.

Com o anúncio da Air India, a empresa se torna a segunda, de que se tem notícia, a mostrar reflexos positivos da evolução da pandemia após o início da vacinação. Antes dela, a Delta Air Lines declarou na sexta-feira, 26, que deverá retornar todos os seus pilotos ao ‘status ativo de voo’ até outubro deste ano, já que vê uma crescente demanda por viagens domésticas de lazer e negócios.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Em vídeo, veja o Boeing 777F entregando os medicamentos de intubação...

0
Primeiro voo com milhões de medicamentos para intubação doados ao Ministério da Saúde por um grupo de grandes empresas nacionais.