Air New Zealand se desculpa por dar suporte à guerra no Oriente Médio

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O Partido Verde da Nova Zelândia criticou publicamente a Air New Zealand após revelações de que a empresa aérea tem prestado serviço aos militares sauditas e que isso teria colaborado com ações que exacerbaram a crise humanitária no Iêmen.

Segundo o The Guardian, a unidade especializada em manutenção de motores e turbinas militares da Air New Zealand, chamada de Gas Turbines, tem apoiado a Marinha saudita. Em comunicado, companhia neozelandesa se desculpou e disse que a unidade de negócios realizou trabalhos em navios da Marinha Real Saudita através de um contrato de terceiros.

“Foi através de um contrato de terceiros que o trabalho foi realizado em dois motores e um módulo de turbina de energia de navios pertencentes à Marinha Real Saudita. O negócio de turbinas a gás não foi contratado diretamente com a Marinha Real Saudita e a Air New Zealand não realizará nenhum trabalho adicional dessa natureza”, disse a empresa em nota.

Ela completou, dizendo que a unidade de negócios estava revisando seus processos de contratação para garantir que tivesse “melhor supervisão” do trabalho futuro atribuído através de acordos de terceiros.

A porta-voz do Partido Verde, Golriz Ghahraman, disse que “seus pensamentos estavam com a comunidade iemenita que continuou a sofrer uma das piores atrocidades da história humana, incluindo fome em massa e violência causando centenas de milhares de mortes de civis, deixando milhões de desabrigados.

A diretora de campanha da Anistia Internacional, Lisa Woods, disse ao 1News que esperava que a companhia aérea tivesse realizado a devida diligência sobre os riscos dos direitos humanos e, ao fazê-lo, considerar o impacto que seus serviços teriam.

“Ficaríamos chocados se houvesse alguma empresa aqui (na Nova Zelândia) que, através de suas atividades, estivesse contribuindo para violações dos direitos humanos e tendo um impacto adverso nos direitos humanos”.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias