Air New Zealand se tornará uma empresa doméstica com poucos voos internacionais

O CEO da Air New Zealand, Greg Foran, disse em um comunicado interno que a companhia aérea se tornará menor, predominantemente voando no mercado interno, e espera demitir mais de 3.000 funcionários devido aos impactos do Coronavírus.

Segundo a TVNZ, o Foran enviou uma mensagem aos funcionários comentando sobre as mudanças sem precedentes que estão por vir, depois que a companhia aérea teve que cortar 95% de todos os voos.

“A Air New Zealand começará o doloroso processo de redução material de sua força de trabalho a partir desta semana, à medida que o severo impacto econômico da covid-19 atinge nossa companhia aérea”, começou ele.

Depois de falar sobre a perda significativa de receita de turistas internacionais que usavam a companhia aérea, ele continuou. “Está claro que a Air New Zealand que emergirá da crise será uma companhia aérea muito menor e pode levar anos para voltar ao seu tamanho anterior”, escreveu. “Portanto, estamos planejando ser uma companhia aérea doméstica com serviços internacionais limitados”.

Foran espera que, mesmo em um ano, a companhia aérea – que estava trazendo uma receita de cerca de US$ 5,8 bilhões – pode ser pelo menos 30 por cento menor. “Para ficar claro, o tamanho da força de trabalho da Air New Zealand reduzirá em até 3.500 posições nos próximos meses. Nenhuma área será imune e a situação em que nos encontramos não é culpa de ninguém.

Foran ainda disse que espera trabalhar com os sindicatos para tentar manter as reduções de pessoal ao mínimo possível.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias