Por que este Airbus A320 especial foi entregue a uma só empresa na história?

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Talvez você nunca tenha ouvido falar da existência dessa versão especial do Airbus A320. Ou talvez você já até tenha visto alguma foto dela na internet, mas não se deu conta dessa diferença. Mas o fato é que uma única empresa aérea na história da aviação recebeu esse A320 especial. Você sabe do que estamos falando?

Avião Airbus A320 Rodas Duplas Air India
Imagem: Steven Byles / Flickr [CC]

Se você ainda não reparou em algo diferente no avião da imagem acima, aí vai logo abaixo uma foto de um A320 comum, dos que operam em todas as demais companhias aéreas do mundo.

Avião Airbus A320 Air India
Imagem: Laurent ERRERA [CC]

Se ainda não reparou, olhe para o trem de pouso deles. Depois, veja a seguir por que é que apena uma empresa na história já teve em sua frota este modelo especial de A320, que conta com conjuntos duplos de rodas, o chamado “double-bogie”, em seu trem de pouso principal.

Rodas duplas versus simples

Embora, como já citado acima, o avião de maior sucesso da história da Airbus tenha por padrão, em todas as companhias, o trem de pouso de rodas simples, ou seja, apenas com duas rodas lado a lado em cada perna do trem de pouso, essa não foi a configuração originalmente pensada para o modelo.

A Airbus projetou a família a A320 a partir do relativamente bem-sucedido A300, o primeiro avião bimotor de corpo largo (dois corredores) da história, com capacidade para 247 passageiros em duas classes.

Avião Airbus A300B2-C1 Protótipo
Airbus A300 – Imagem: Ken Fielding [CC]

Assim, o projeto original do A320 herdava o trem de pouso com quatro rodas em cada perna do sucessor A300. Mas ele foi modificado ainda durante a fase de desenvolvimento, para reduzir custo com um trem de pouso mais simples e rivalizar com o 737 da concorrente Boeing. Um avião menor tem menos peso, portanto não há necessidade de tantas rodas.

Então, se era mais econômico ter um A320 de rodas simples, por que uma companhia aérea teria feito a Airbus voltar aos planos iniciais do modelo e fabricar jatos com o trem duplo?

Rodas duplas na Índia

A explicação para o curioso e limitado uso do A320 com rodas duplas se dá pelas condições operacionais da Índia.

Toda operação de uma aeronave em um aeroporto só pode ser efetuada após um cruzamento de dados entre a pressão que os pneus fazem contra o solo e a resistência do pavimento construído. Se o peso do avião, distribuído entre os pneus, resultar em uma pressão acima da suportada pelo pavimento de um aeroporto, o avião irá afundar, portanto, sua operação não será permitida ali.

E é exatamente o que acontecia na Índia naquele momento em que a companhia aérea do país, a Indian Airlines, hoje Air India, solicitou à Airbus a versão especial do A320. A Índia possuía muitas pistas de pouso mal preparadas para a operação de aviões comerciais, de forma que o uso da versão padrão representaria um risco constante de afundamentos de pavimento.

A partir do momento em que se coloca o dobro do número de pneus, a carga aplicada contra o solo por cada pneu passa a ser a metade da anterior, possibilitando a operação segura em pavimentos menos resistentes.

Os primeiros 31 aviões A320 recebidos pela companhia indiana saíram com o trem de pouso diferenciado, até que a infraestrutura dos aeroportos do país foi gradualmente melhorada, tornando desnecessária a continuidade do uso da versão especial.

Alguns aviões foram convertidos para o trem de pouso simples durante sua vida convencional, porém outros operaram até recentemente na configuração original. Os últimos deles permaneceram na frota da Air India até o final de 2018, quando foram finalmente aposentados com cerca de 25 anos, dando fim ao uso dessa curiosa modificação.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias