Airbus A320neo apresenta problema com sistema de ângulo de ataque

Depois de enfrentar problemas com o lançamento do A321neo, a Airbus e a EASA estão com problema também com o A320neo.

Avião Airbus A320neo

De acordo com a Diretriz de Aeronavegabilidade 2019-0189 da EASA, “Análise e testes laboratoriais do comportamento das leis de controle de voo do A320neo identificaram uma eficiência reduzida da proteção do ângulo de ataque quando o avião é ajustado em configurações e em combinação com manobras específicas comandadas pela tripulação de voo”.

Questões relacionadas ao ângulo de ataque das aeronaves têm ganhado notoriedade desde os acidentes com o Boeing 737 MAX. Grande parte das aeronaves narrowbody modernas têm sido afetadas, mas em graus muito variados em cada caso, com diferenças significativas entre os problemas enfrentados por cada tipo de aeronave.

A Airbus disse ao portal Simple Flying que o problema do ângulo de ataque do A320neo requer a combinação de quatro condições.

Em primeiro lugar, a aeronave precisa estar com um centro de gravidade deslocado para trás. Em segundo lugar, a aeronave deve estar sendo submetida a uma desaceleração contínua. Em terceiro lugar, a aeronave deve estar em configuração de aproximação ou pouso. Por fim, a tripulação deve realizar uma manobra dinâmica de pitch-up (nariz para cima).

Sob essas condições, a aeronave pode entrar em uma situação indesejável de pitch-up fora das diretrizes regulares de ângulo de ataque.

Ao contrário do 737 MAX, que pode manter as características de voo automatizado mesmo sob voo manual, a Airbus afirma que sob nenhuma circunstância os controles de voo automatizados assumirão os comandos manuais no A320neo.

A Diretriz de Aeronavegabilidade emitida pela EASA deve ser cumprida até o próximo dia 14 de setembro de 2019, através da alteração dos manuais de voo das aeronaves. A Diretriz requer a inclusão de informações para que os pilotos estejam atentos e evitem as condições que levam à ocorrência do problema.

Informações do Simple Flying e da EASA.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.