Com 1 ano de uso, Airbus A321neo precisou trocar o trem de pouso após aterrissagem dura

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Airbus A321neo
Airbus A321neo – Imagem: BriYYZ from Toronto, Canada / CC BY-SA (Imagem meramente ilustrativa)

Um Airbus A321neo, de apenas 1 ano e 3 meses desde sua entrega direto da fábrica, precisou ter seu trem de pouso substituído depois de um pouso mal sucedido no início de agosto passado, na Índia.

Segundo informações do portal The Aviation Herald, a aeronave envolvida foi o Airbus A321-200N registrado sob a matrícula VT-IUD, da companhia aérea indiana de baixo custo IndiGo, e o incidente ocorreu no dia 6 de agosto.

A jato estava realizando o voo de número 6E-2752, que partiu de Chennai, na Índia, e prosseguiu sem intercorrências durante a rota. Porém, quando aterrissava na pista 10 do aeroporto da capital indiana Delhi às 19h38 do horário local, sofreu um pouso duro (Hard Landing) que atingiu uma carga de +2.7G (ou seja, os trens de pouso foram submetidos a 2,7 vezes a carga normal do peso do avião).

As condições meteorológicas dos horários próximos ao do incidente mostravam presença de neblina, mas sem impacto significativo na visibilidade, porém, ocorrência de trovoadas com rajadas de até 30 nós (55 km/h) e visibilidade limitada a 1000 metros por conta da chuva:

  • VIDP 061500Z 09012KT 4000 HZ SCT030 BKN100 32/25 Q0998 NOSIG=
  • VIDP 061330Z 08010G20KT 4500 HZ SCT030 FEW035CB BKN100 32/25 Q0997 TEMPO 15020G30KT 1000 TSRA=

A aeronave concluiu o pouso sem mais incidentes e taxiou até o pátio, porém, não voltou a decolar por 40 dias, até realizar um curto voo de teste nesta terça-feira, 15 de setembro.

FlightAware Voo Teste A321neo IndiGo Pouso Duro
O voo de teste do A321neo – Imagem: FlightAware

Segundo o The Aviation Herald, o Airbus A321neo sofreu danos tão substanciais em seu trem de pouso que foi necessária a substituição das estruturas das penas principais, levando a esta necessidade de longa parada de manutenção.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Após pilotos escolherem pista errada, controlador de tráfego intervém e evita...

0
Decolagens de pista errada podem representar um grande risco à segurança de voo. Acidentes trágicos já aconteceram por este motivo.