Airbus A330 sai da pista no pouso e falta de proficiência devido à Covid é apontada como motivo

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

No dia 15 de setembro deste ano, o Airbus A330-300 registrado sob a matrícula PK-LEG, operado pela empresa aérea Lion Air, realizava o voo de número JT-208 de Jacarta para Kualanamu, ambas na Indonésia, quando um incidente aconteceu na chegada ao destino.

Airbus A330-300 da Lion Air – Imagem: Airbus

O grande jato de passageiros pousou na pista 23 do aeroporto de Kualanamu em condições chuvosas, mas desviou-se para a esquerda da linha central a ponto de seu trem de pouso principal esquerdo sair da superfície da pista (“Runway Excursion”) por cerca de 30 metros antes que a tripulação conseguisse retornar a aeronave para o pavimento.

A aeronave continuou seu deslocamento sem mais incidentes e taxiou até o pátio. Uma inspeção pós-voo revelou grama nas rodas principais do lado esquerdo e cortes nos pneus.

Na ocasião, a comitê de investigação da Indonésia (KNKT) classificou a ocorrência como um incidente sério e abriu uma investigação, e agora apresenta seu relatório preliminar com as informações levantadas até o momento.

Detalhes sobre a ocorrência

Segundo os dados levantados, às 07h14Z (14h14 locais), a aeronave partiu do Aeroporto Internacional Soekarno-Hatta, de Jacarta, e voou no nível de voo (FL) 400 (altitude de 40.000 pés, ou 12,2 km).

O Segundo em Comando (SIC – Second In Command) no voo, com 17.130 horas de experiência total e 235 horas no tipo da aeronave, era um piloto qualificado que estava sob treinamento de linha para o programa de treinamento de padronização e ocupava o assento esquerdo da cabine.

O Piloto em Comando (PIC – Pilot In Command) no voo, com 16.916 horas no total e 2.216 horas no tipo, era um instrutor qualificado ocupando o assento direito da cabine.

O SIC atuava como Piloto de Voo (PF – Pilot Flying) enquanto o PIC atuava como Piloto de Monitoramento (PM – Pilot Monitoring).

Os pilotos perceberam que havia nuvem CB (Cumulonimbus) na final da pista 05, então solicitaram ao Controle de Tráfego Aéreo (ATC) mudança para a pista 23 oposta, mas o pedido foi rejeitado pelo ATC.

O SIC então entregou o controle da aeronave ao PIC (instrutor), considerando as condições climáticas e menor experiência de voo no tipo de aeronave. O PIC recusou e pediu ao SIC que continuasse a controlar a aeronave.

Os pilotos notaram que uma aeronave à frente arremeteu devido ao vento e um piloto de outra aeronave atrás deles também solicitou a mudança da pista para a 23 para o pouso. Eles então informaram novamente ao ATC que na final da pista 05 havia uma “grande nuvem de tempestade” visível e solicitaram o uso da pista 23 para pouso.

O ATC então finalmente forneceu orientações para o A330 realizar a aproximação do Sistema de Pouso por Instrumentos (ILS) na pista 23.

Durante a aproximação, a aproximadamente 1.000 pés de altitude, o SIC passou o controle da aeronave para o PIC (instrutor) e, dessa vez, o PIC se tornou o PF.

Às 09h40Z, quando a altitude era de aproximadamente 500 pés, o piloto automático foi desligado e o SIC informou ao PIC que a velocidade do vento era de 16 nós a partir de 275 graus.

Pouco depois, já nos momentos finais antes do toque, após o Computador de Gerenciamento de voo (Flight Management Computer – FMC) avisar “RETARD” (“Reduzir”), o SIC percebeu que a posição da aeronave estava se aproximando da borda esquerda da pista e aconselhou o PIC a voar para a direita.

Às 09h41Z, a aeronave pousou e o PIC buscou direcionar o A330 para a linha central da pista aplicando o pedal direito do leme. O trem de pouso principal esquerdo, entretanto, saiu da área pavimentada da pista perto da interseção D e voltou à pista perto da interseção E.

Mapa do aeroporto – as interseções são apontadas pelas letras D e E

Marcas na grama onde o A330 saiu da pista – Imagem: KNKT

A aeronave desocupou a pista pela interseção G e dirigiu-se para a posição número 14 do pátio. O piloto relatou ao controlador da Torre Kualanamu que o A330 estava ligeiramente desviado para a esquerda no pouso e poderia ter atingido alguma luz da pista. Ao chegar à posição, os passageiros desembarcaram normalmente.

Durante a inspeção, o engenheiro de manutenção encontrou grama na região da roda principal esquerda e marcas estriadas nas rodas 5 e 6. A inspeção da pista encontrou duas luzes da pista quebradas.

Marcas em um dos pneus – Imagem: KNKT

Embora a investigação ainda esteja em andamento e o relatório final não tenha sido emitido, a KNKT afirmou que “Durante a pandemia de Covid-19, o departamento de operação teve dificuldades para manter a proficiência do piloto e a experiência recente desde que a operação da aeronave se reduziu com o problema de limitação de viagens”, e relatou ainda que o SIC não havia voado nos últimos 90 dias antes do incidente, enquanto o instrutor voou 2 horas e 56 minutos no mesmo intervalo de datas.

Informações do KNKT

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

TAP já tem aprovado mais um voo entre Lisboa e Curitiba

0
Mais uma vez um Airbus A330-900 cumprirá a missão, e novamente permanecerá no solo do aeroporto paranaense por mais de 24 horas.