Airbus dá vida ao projeto A319neo com mega encomenda de aérea ultra-low-cost

A Airbus finalmente conseguiu emplacar uma venda (e das grandes) do seu menor jato original: o pequeno A319neo. Em breve, ele voará para uma ultra-low-cost americana.

A320neo A319neo Spirit
Airbus A320neo da Spirit pousa em Las Vegas © Tomás del Coro

A ultra-low-cost Spirit Airlines baseada em Miramar (não a do Top Gun, mas a cidade da Flórida) assinou um memorando de entendimento para compra de 100 jatos da família A320neo da Airbus.

Por si só, essa seria uma encomenda de grande relevância, mas, além disso, ainda ficou acordado o direito de compra de mais 50 aviões, sendo uma das maiores encomendas que a fabricante européia já recebeu. Esta mega encomenda irá contar com um mix dos três tipos de jatos da família A320neo: o menor A319neo, o mediano A320neo e o maior A321neo.

As encomendas serão finalizadas até 2027. “Estas novas aeronaves serão utilizadas para dar suporte ao crescimento da Spirit, à medida que adicionamos novos destinos e aumentamos nossa malha pelos EUA, Caribe e América Latina. Nós estamos animados para trabalhar com os nossos grandes parceiros na Airbus e finalizar este acordo” disse Ted Christie, Presidente e CEO da Spirit.

A Spirit foi fundada em 1964 mas só em 2007 se tornou uma ultra-low-cost. A companhia tem tarifas baixíssimas porém cobra de tudo: do serviço de bordo até a bagagem de mão. Atualmente tem 138 jatos Airbus A319ceo, A320ceo, A320neo e A321ceo, e pretende fechar o ano com 145 aviões na sua frota.

Alívio para o pequeno A319neo, o “Baby Bus Neo”

Airbus A319neo
Airbus A319neo

A notícia de ontem foi absorvida com um certo alívio para a Airbus. Apesar do A320neo e o A321neo já serem um sucesso, o pequeno A319neo sofre com a síndrome do “irmão menor”.

Esta síndrome atinge praticamente todas as família de jatos no mundo, em que o menor avião da família é sempre o menos vendido, é assim com os Boeings 737, 767, 777, os Airbus A330 e A340 além dos brasileiros Embraer E-Jets.

O motivo é simples: os menores aviões acabam tendo quase o mesmo custo de operação que os maiores, porém levando praticamente o mesmo número de passageiros que aviões de categoria inferior.

Com isso diversos operadores preferem voar os jatos de gerações anteriores, que são mais baratos para alugar, ou optam por algum “irmão maior”, já que o custo é bem próximo. Este foi o caso da Avianca Colômbia, que possuía a maior encomenda do A319neo com 20 encomendados e cancelou a compra.

Sem a colombiana, a Airbus ficou com apenas 35 encomendas do pequeno jato, sendo dois da Air Côte d’Ivoire, oito da Air China e o restante aviões da versão VIP, a ACJ319neo. Porém, as duas empresas aéreas não confirmaram ainda quando o jato será entregue e existem dúvidas se efetivamente serão entregues.

A encomenda da Spirit vem dar um ânimo novo ao jato que, além da “síndrome do irmão menor”, ainda concorre com outro avião da própria Airbus, o A220, cuja capacidade para 160 passageiros é a mesma. No caso, o A220 tem se mostrado um sucesso de vendas até aqui.

Com Informações da Assessoria de Imprensa da Spirit Airlines e da Airbus

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias