Airbus reporta resultados de 2020, com prejuízo de € 1,1 bilhão, e sua perspectiva para 2021

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Airbus Hangar Hamburg
Imagem: Mbn 1969 / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

A Airbus divulga hoje, 18 de fevereiro, seus resultados financeiros consolidados do ano fiscal (FY) de 2020 e fornece suas perspectivas para 2021.

“Os resultados de 2020 demonstram a resiliência da Airbus na crise mais desafiadora que atingiu a indústria aeroespacial. Quero agradecer às nossas equipes por suas grandes conquistas em 2020 e reconhecer o forte apoio dos nossos negócios de Helicópteros e Defesa e Espaço. Também gostaria de agradecer aos nossos clientes, fornecedores e parceiros por sua fidelidade à Airbus”, disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury.

“Muitas incertezas permanecem para o nosso setor em 2021, pois a pandemia continua a impactar vidas, economias e sociedades. Emitimos orientações para fornecer alguma visibilidade em um ambiente volátil. A longo prazo, nossa ambição é liderar o desenvolvimento de uma indústria aeroespacial global sustentável”, completa o executivo.

Pedidos e Entregas

Os pedidos líquidos de aeronaves comerciais totalizaram 268 (contra 768 aeronaves em 2019) com a carteira de pedidos compreendendo 7.184 aeronaves comerciais em 31 de dezembro de 2020.

A Airbus Helicopters registrou 268 pedidos líquidos (2019: 310 unidades), incluindo 31 NH90s para a Bundeswehr (Forças Armadas da Alemanha) no 4º trimestre (Q4) e 11 H160s.

A entrada de pedidos da Airbus Defense and Space aumentou 39% em valor com relação ao ano anterior, para € 11,9 bilhões, impulsionada principalmente por importantes contratos ganhos em aeronaves militares. Isso incluiu um contrato assinado em novembro para entregar 38 novos caças Eurofighters para a Força Aérea Alemã.

entrada de pedidos consolidada, em valor, diminuiu para € 33,3 bilhões (2019: € ​​81,2 bilhões) com a carteira consolidada de pedidos avaliada em € 373 bilhões em 31 de dezembro de 2020 (final do ano de 2019: € ​​471 bilhões). A diminuição no valor da carteira de aeronaves comerciais reflete o maior número de entregas em comparação com a entrada de pedidos, o enfraquecimento do dólar norte-americano e uma avaliação da recuperabilidade da carteira.

As receitas consolidadas diminuíram para € 49,9 bilhões (2019: € ​​70,5 bilhões), devido ao difícil ambiente de mercado que afeta o negócio de aeronaves comerciais com 34% menos entregas ano a ano.

Foram entregues 566 aeronaves comerciais (2019: 863 aeronaves), sendo 38 A220s, 446 da Família A320, 19 A330s, 59 A350s e 4 A380s. Durante o quarto trimestre de 2020, foi entregue um total de 225 aeronaves comerciais, incluindo 89 em dezembro.

Em 2020, a Airbus Helicopters entregou 300 unidades (2019: 332 unidades) com receitas aumentando em cerca de 4%, beneficiando-se de um mix de produtos favorável e crescimento em serviços.

As receitas da Airbus Defense and Space diminuíram cerca de 4%, refletindo principalmente o menor volume, bem como o impacto da COVID-19 no faseamento dos negócios, principalmente em Sistemas Espaciais.

Um total de 9 aviões militares A400M foi entregue durante o ano, com a Bélgica recebendo sua primeira de sete aeronaves em dezembro. Um bom progresso foi feito com o roteiro de capacidade da aeronave, incluindo a campanha de teste de voo para a certificação de Voo Automático de Baixo Nível.

Dados Financeiros

O EBIT consolidado (reportado) foi de € -510 milhões (2019: € ​​1,339 bilhão), incluindo ajustes totalizando € -2,216 bilhões líquidos. Esses ajustes compreenderam:

  • € -1,202 bilhão relativo ao plano de reestruturação da Empresa;
  • € -385 milhões relacionados ao custo do programa do A380, dos quais € -27 milhões foram no quarto trimestre;
  • € -480 milhões relacionados com o descasamento do pagamento antes da entrega em dólares e reavaliação do balanço, dos quais € -106 milhões no 4º trimestre;
  • € -149 milhões de outros custos (incluindo conformidade), dos quais € -21 milhões foram no quarto trimestre.  

prejuízo líquido consolidado foi de € -1,133 bilhão (prejuízo líquido de 2019: € ​​-1,362 bilhão).

fluxo de caixa livre consolidado antes de M&A e financiamento de clientes totalizou € -6,935 bilhões (2019: € ​​3,509 bilhões), incluindo o pagamento de multas relacionadas ao compliance de € -3,6 bilhões no primeiro trimestre de 2020.

O fluxo de caixa livre do quarto trimestre de 2020 antes de fusões e aquisições e financiamento ao cliente de € 4,9 bilhões reflete o nível sólido de entregas de aeronaves no trimestre, o bom desempenho de Helicópteros e Defesa e Espaço, além do forte foco na gestão do capital de giro.

Dado o ambiente de negócios global, não haverá propostas de dividendos para 2020. Esta decisão visa fortalecer a resiliência financeira da Empresa, protegendo a posição de caixa líquido e apoiando a sua capacidade de adaptação à evolução da situação.

Perspectiva

Como base para suas perspectivas para 2021, a Airbus informa que não assume mais interrupções na economia mundial, no tráfego aéreo, nas operações internas da Empresa e em sua capacidade de fornecer produtos e serviços.

Com base nisso, a empresa tem como meta atingir em 2021, pelo menos:

  • Mesmo número de entregas de aeronaves comerciais em 2020;
  • EBIT ajustado de € 2 bilhões;
  • Equilíbrio no Fluxo de caixa livre antes de M&A e financiamento de clientes.

Informações da Airbus

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias