Alaska Airlines confirma pedido de 23 Boeing 737 MAX

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Boeing 737 Max Alaska Airlines
Imagem: Boeing

O Alaska Air Group anunciou ontem, 30 de março, que completou o processo de compra de 23 jatos 737 MAX-9, reforçando gradativamente a confiança na família de aeronaves da Boeing que passou 20 meses em solo guardando uma retificação devido aos acidentes fatais.

Assim como havíamos anunciado em dezembro do ano passado aqui no AEROIN (clique para ler), a companhia havia iniciado as tratativas para essa compra, e o acordo agora foi concluído. As aeronaves deste negócio têm como prazo de entrega entre 2023 e 2024.

De acordo com a Reuters, se Alaska Airlines receber todos os seus pedidos e confirmar suas opções de compra, incluindo aeronaves arrendadas, ela terá em operação um total de 120 aeronaves MAX.

Segundo a Boeing, os 737 MAX são equipados com motores novos e mais eficientes no consumo de combustível e também possuem aerodinâmica aprimorada. O modelo consome 20% menos combustível e reduz as emissões em 20% por assento em comparação com os aviões que substitui.

A Alaska Airlines, operadora de longa data do Boeing 737, fez o primeiro pedido de 32 jatos 737-9 em 2012 como parte de seu programa de modernização da frota. Com esse novo acordo fechado, já são 55 pedidos firmes para o modelo.

Assim, com outras 13 aeronaves de aluguel e mais 52 opções reservadas, o total chega às 120 aeronaves acima descritas.

O negócio fechado com a Alaska Airlines acontece um dia após a Boeing e a Southwest Airlines anunciarem que a transportadora continuará a desenvolver seus negócios em torno da família 737 com um novo pedido de 100 aviões e mais 155 opções de compra em dois modelos do 737 MAX.

Leia mais: 

Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Airbus vende 56 aviões para a Índia e 40 deles serão...

0
É o primeiro programa aeroespacial 'Make in India' no setor privado, envolvendo o desenvolvimento de um ecossistema industrial completo.