Gelo seco a bordo de aviões é motivo de alerta em tempos de vacina de Covid-19

Avião Boeing 747-400F Kalitta Air Nariz Aberto

A Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos emitiu hoje (12) um Alerta de Segurança para Operadores (SAFO) que fornece informações e recomendações para pessoas que realizam operações aéreas, discorrendo sobre questões de segurança relacionadas ao transporte de vacinas de COVID-19 por via aérea, que podem exigir maiores quantidades de gelo seco para preservação.

Embora emitido especificamente para a aviação norte-americana, empresas aéreas e aeroportos do mundo todo devem acabar se envolvendo no transporte das vacinas, portanto, as instruções são muito valiosas para a segurança de todos.

O gelo seco é a forma sólida do Dióxido de Carbono (CO2) e é usado de maneira regular e segura para manter frios e, portanto, preservados, produtos perecíveis durante o transporte. Certas vacinas de COVID-19 requerem uma temperatura de -70°C para preservação adequada. O principal meio de manter essa temperatura envolve embalar o recipiente da vacina com gelo seco.

Para transportar vacinas de COVID-19, os operadores podem planejar transportar quantidades de gelo seco maiores do que as que podem transportar durante as operações normais. Este volume de gelo seco pode apresentar riscos que as mitigações existentes não abordam de forma adequada.

O gelo seco sublima (transições diretamente de um sólido para um gás) em temperaturas superiores a -78°C sob pressão atmosférica normal. Em pressões reduzidas, a taxa de sublimação de gelo seco aumentará.

Um risco potencial associado à sublimação do gelo seco é que o gás carbônico (CO2) gasoso substituirá o oxigênio nos compartimentos da aeronave e interferirá na capacidade de respiração dos ocupantes. Altos níveis de gás CO2 nos compartimentos podem levar à degradação não reconhecida do funcionamento cognitivo e apresentar um risco de asfixia para as pessoas naquele espaço (por exemplo, a equipe de solo que lida com o carregamento e descarregamento de contêineres de carga).

O risco de condições perigosas aumenta proporcionalmente com a quantidade de gelo seco transportado, a taxa de sublimação desse gelo seco e qualquer degradação da ventilação da aeronave.

Ações recomendadas

Ao se preparar para transportar grandes quantidades de gelo seco associado à vacina de COVID-19, os operadores devem considerar as informações do SAFO. Além disso, os operadores com um Sistema de Gestão de Segurança (SMS) aprovado devem conduzir avaliações de risco de segurança de acordo com seu Sistema de Gestão de Segurança aprovado. Os operadores sem um SMS aceito devem conduzir uma análise de segurança e aplicar as mitigações de risco apropriadas.

A FAA recomenda que os operadores considerem as seguintes informações sobre o transporte de gelo seco:

• Os fabricantes de aeronaves fornecem informações sobre as quantidades máximas de gelo seco recomendadas que a ventilação da aeronave pode acomodar, dependendo da taxa de sublimação.

• Uma determinação precisa da taxa de sublimação de gelo seco é necessária para determinar a quantidade correta de gelo seco que pode ser transportado com segurança a bordo de uma aeronave.

• Conforme o gelo seco é sublimado, ocorre uma perda de peso, afetando o centro de gravidade da aeronave.

• Despacho com Sistemas de Controle Ambiental totalmente operacionais, incluindo todos os pacotes de ar condicionado e unidade de energia auxiliar (APU), para permitir ventilação eficaz para operações em terra e contingências a bordo.

• Sensores de CO2 instalados ou transportados na aeronave ou usados ​​pelos pilotos e outros membros da tripulação ajudarão o operador e a tripulação a reconhecer concentrações perigosas de CO2 e implementar controles de risco eficazes.

• O treinamento do piloto em condições e procedimentos específicos pode melhorar a tomada de decisão do piloto no caso de um alerta do detector de CO2 ou outras anormalidades do sistema.

• A ventilação máxima, inclusive durante o degelo em solo e o processo anti-gelo, mitigará o acúmulo de CO2 na aeronave.

Mais informações podem ser consultadas diretamente no Alerta de Segurança emitido pela FAA através deste link.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias