Amazon deve buscar mais aeronaves para sua companhia Prime Air

A Amazon estaria requisitando novas propostas para companhias que tenham interesse em adicionar mais jatos de carga à frota de sua aérea cargueira Prime Air entre 2019 e 2022, afirmou um analista da companhia, conforme reportou o Puget Sound Business Journal, de Seattle.

Avião Boeing 767F Prime Air Amazon
Imagem: Flickr / Planes&Trains




Um potencial beneficiário é a Atlas Air, que recusou fazer comentários, mas enviou questionamentos à Amazon sobre as possíveis intenções. A Amazon, através de sua porta-voz Rena Lunak, disse que não comenta “rumores ou especulações”.

A gigante companhia do comércio eletrônico arrendou 20 Boeings 767 da Atlas em um acordo de 2016, que incluía equipes de apoio aéreo e terrestre, e também possui um contrato de aluguel de 20 jatos com o Air Transport Services Group, no qual tem uma participação societária de 19,9%.

A Atlas já entregou 15 aeronaves Boeing 767, que são antigos jatos de passageiros convertidos em cargueiros, e os cinco últimos serão entregues antes de 2019, disse o presidente e CEO da Atlas Air, William Flynn, a analistas financeiros em um encontro de investimentos em 25 de junho.

Flynn e outros executivos da Atlas não mencionaram a possível nova solicitação de proposta, mas ofereceram dicas tentadoras. “Naturalmente, estamos focados em nossos esforços para alcançar o serviço completo para a Amazon ainda este ano”, disse Flynn. “É nossa ambição continuar crescendo com a Amazon enquanto expandem sua rede doméstica e internacional”, afirmou o diretor comercial da Atlas, Michael Steen. “Queremos ser o parceiro mais confiável e a operadora preferida nos próximos anos”.

Possivelmente, a Atlas adiantará o máximo que puder as entregas restantes, tanto para forçar a necessidade de definição de um novo acordo quanto para atender a necessidade da Amazon, que deseja ter todas as aeronaves em operação antes da temporada de pico de encomendas.

E a Atlas conhece bem o potencial de um acordo como esse. Em 2008, a companhia operou seis jatos para a DHL. Hoje, já são 41 em operação.

No ano passado, a Amazon começou a usar o centro de carga global da DHL no Aeroporto Internacional de Cincinnati / Northern Kentucky enquanto construía seu hub de US$ 1,5 bilhão da Prime Air no mesmo aeroporto.

 
Informações pelo Puget Sound Business Journal.
 

Amazon pode escolher Azul Cargo como transportadora no Brasil

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias