American Airlines e a sua nova tarifa sem direito à reacomodação

Nos EUA a regulação sobre aviação é bem mínima e, inclusive, não exige que as companhias reacomodem os passageiros em outras aéreas em caso de atrasos. Mas as cias. tradicionais sempre reacomodavam exatamente para manter o seu diferencial. Até hoje.




No ano passado a American começou a vender a tarifa chamada Basic Economy, uma tarifa abaixo da Econômica normal. Mais barata, porém sem direito a escolher assento e sem refeição a bordo, liberando basicamente apenas a bagagem de mão.

Até aí seria mais uma maneira da American competir com os concorrentes, principalmente as companhias ultra-low-costs e low-costs. O diferencial em relação às low-costs seriam os benefícios que qualquer passageiro da American tem, como entretenimento a bordo dependendo da aeronave, espaço maior para as pernas que qualquer low-cost e assistência em caso de problemas no voo.

Porém a Basic Economy tornou-se agora a tarifa “econômica normal” com a extinção da tarifa Economy. Dessa forma, os passageiros podem ficar mais tempo em solo em caso de atraso. Seguir em um voo de outra aérea dependerá mais do seu programa de fidelidade, no caso o AAdvantage.

Caso o passageiro adquira a tarifa Basic Economy e seja cliente com mais de 75 mil milhas no seu cartão, ele será reacomodado no próximo voo disponível na American ou concorrente, juntamente com os clientes da primeira-classe caso o voo tenha esta classe.

Se o passageiro tiver entre 50 e 74 mil milhas (ou estiver viajando na executiva) será recomodado em outra aérea apenas se o atraso for superior a cinco horas. Antes disso, a reacomodação só ocorre em outros voos da American.

Por último e que afeta a maioria: com 49 mil milhas ou menos, a tarifa Basic Economy só dará ao passageiro reacomodação em voos da American.

Outro ponto desta tarifa é quando existem greves, furacões e eventos extraordinários que fechem o aeroporto por completo por dias. Neste caso, é comum as aéreas de todo o mundo não cobrarem por remarcação exatamente para evitar que o passageiro vá até o aeroporto e aumente os problemas deles.

Mas durante uma das greves gerais em Barcelona, passageiros relataram que a American deu o chamado waiver para reacomodação de qualquer passageiro que estivesse com reserva em voos que envolviam a cidade catalã no trajeto.

Porém este waiver só permite que a pessoa remarque na mesma tarifa. E quando se trata da mais barata, por exemplo, costuma não estar disponível em voos de datas próximas. Ainda mais com a demanda alta devido à greve que deixou milhares de pessoas no chão.




Vale lembrar que estas regras não valem para os voos da American para o Brasil, já que aqui a ANAC exige reacomodação independente da causa. Nos EUA as companhias não têm que reacomodar em caso de evento meteorológico. Só são obrigadas em caso de falha da companhia, como manutenção, falta de tripulantes e etc.

Mas se você tiver trechos domésticos no seu bilhete, é importante (como sempre) ler o Contrato de Transporte Aéreo antes da compra. As companhias low-costs como Spirit e Frontier têm uma política ainda mais agressiva quanto à reacomodação em voos atrasados.

Com informações do blog ViewFromTheWing.

Aeroporto de Los Angeles começa a permitir embarque de maconha

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos