ANAC homologa resultado da 6ª rodada de leilões de aeroportos

Aeroporto de Foz do Iguaçu, no Paraná

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou, nesta terça-feira, 1, a proposta da Comissão Especial de Licitação (CEL) para homologação do resultado do processo licitatório da 6ª rodada de concessão. O leilão foi realizado no dia 7 de abril, em São Paulo.

Com a homologação, a ANAC oficializou o resultado do leilão:

A Companhia de Participações em Concessões (CPC) foi confirmada como vencedora de dois blocos de aeroportos. O Bloco Sul, formado pelos aeroportos de Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC), Londrina (PR), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS), foi arrematado por R$ 2,1 bilhões, com ágio de 1.534,36% em relação ao lance mínimo inicial de R$ 130,2 milhões.

A empresa também administrará o Bloco Central, formado pelos aeroportos de Goiânia (GO), São Luís (MA), Teresina (PI), Palmas (TO), Petrolina (PE) e Imperatriz (MA). Esses aeroportos foram arrematados por R$ 754 milhões, valor que representou ágio de 9.156,01% sobre o lance mínimo inicial de R$ 8,1 milhão.

A Vinci Airports, que atualmente administra o Aeroporto de Salvador (BA) foi referendada como vencedora do Bloco Norte, integrado pelos aeroportos de Manaus (AM), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Tabatinga (AM), Tefé (AM) e Boa Vista (RR). A empresa pagou R$ 420 milhões pelos sete aeroportos do bloco, com ágio de 777,47% em relação ao lance mínimo inicial de R$ 47,8 milhões.

A Diretoria Colegiada da ANAC definiu também as datas dos eventos finais do leilão. De acordo com o cronograma atualizado, a assinatura do contrato de concessão com as concessionárias vencedoras está prevista para 3 de setembro de 2021.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Inspirado por filme, falso sequestrador de avião enganou a empresa aérea...

0
Em 1971, voo da Qantas foi ameaçado por uma suposta bom a bordo, o que resultou em uma cinematográfica luta contra o tempo.