ANAC recomenda afastamento de tripulantes após serem vacinados contra COVID-19

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) seguiu recomendações internacionais e emitiu uma circular orientando afastamento após a vacinação contra o Coronavírus.

Divulgação – Azul

A circular, assinada ontem por Albert Costa Rebello, Coordenador de Certificação Médica Aeronáutica, é direcionada aos Serviços Médicos de Operadores Aéreos, aos Médicos Credenciados (MC) e às Clínicas Credenciadas (CLC) que realizam a emissão e revalidação dos Certificados Médico Aeronáutico (CMA), que é o exame de saúde de tripulantes.

Pilotos, Comissários, Mecânicos, Controladores de Tráfego Aéreo e Engenheiros de Voo têm que passar frequentemente por exames de saúde, a fim de garantir que estão aptos para a atividade do voo e relacionadas.

Por receio de reações adversas das vacinas contra o Coronavírus, os pares americanos e europeu, respectivamente FAA e EASA, emitiram ordem para que os trabalhadores da aviação fiquem afastados do trabalho ao menos 48 horas após a aplicação da vacina.

Isto inclusive causou confusão numa companhia aérea regional da American Airlines, que não está liberando seus pilotos para vacinação para não “quebrar” a escala.

Agora, a ANAC recomenda que os tripulantes brasileiros (sem especificar categorias) fiquem afastados por 48 horas após tomarem cada dose da vacina. Caso sejam tripulantes de aviões single-pilot, que requerem apenas um piloto para comandar a aeronave, o período vai para 72 horas.

Atualização: após a emissão do documento na quarta-feira (31), a ANAC publicou nota em seu site na tarde da quinta-feira (1º) detalhando que a orientação é voltada especificamente aos pilotos.

Embora a grande maioria dos efeitos colaterais relatados sejam leves e não coloquem em questionamento a segurança das vacinas aprovadas, a ANAC destaca que eles podem ser potencializados em condições de voo, com ambiente hipóxico e hipobárico.

Vale lembrar que o documento (que você confere na íntegra abaixo) não é uma lei/portaria/regra, sendo apenas recomendação e direcionada ao setor de saúde da aviação civil. Cabe às empresas do setor avaliarem e decidirem se terão algum protocolo pós-vacinação.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Mais um voo com brasileiros deportados dos EUA terá BH como...

0
Em meio a Pandemia do Coronavírus, mais um voo com brasileiros deportados dos EUA será feito para Belo Horizonte com um Boeing 737.