Análises confirmam grande perda de altitude e excesso de velocidade no descontrole do A319 da Avianca

Investigadores confirmaram que um Airbus A319 da Avianca enfrentou uma redução abrupta de altitude de 2.500 pés e o atingimento de uma velocidade acima do limite, em uma ocorrência de perda momentânea de controle em voo.

FlightRadar24 Voo Avianca A319 Perda Controle
O desvio do A319 para a Cidade do Panamá devido à ocorrência – Imagem: FlightRadar24

A aeronave de matrícula N703AV estava operando um voo de San José, na Costa Rica, para Bogotá, na Colômbia, no dia 23 de janeiro, e estava navegando a 37.000 pés com o comandante como piloto quando o incidente ocorreu.

A autoridade de investigação francesa BEA diz, com base nas informações do trabalho conjunto com a Costa Rica, que o jato sofreu “mudanças de atitude, velocidade e aceleração vertical”. Perdeu 2.500 pés e sofreu uma velocidade excessiva em relação ao número máximo de Mach em operação, bem como a um alerta do sistema hidráulico.

A Avianca havia indicado anteriormente que o desvio ocorreu apenas por um alerta dos sistemas de aeronaves e que quatro dos 113 ocupantes – incluindo membros da tripulação – foram hospitalizados após o evento de 23 de janeiro.

Fotos dos passageiros mostram um teto da cabine rachado por impacto, manchas do que parece ser alguma bebida também no teto, um banheiro destruído e detritos por toda a cabine.

Os dados da aeronave captados pelos sites de rastreamento mostram a aeronave no nível de voo FL370 a cerca de 488 nós de velocidade em relação ao solo enquanto cruzava a costa da América Central rumo à Colômbia. Então, em um minuto, a aeronave virou cerca de 25 graus para a direita e desceu abaixo do FL350.

Outro minuto depois, estava em uma subida significativa acima do FL350 até perto do FL360 a 410 nós do solo, antes de se estabilizar no FL350 mais um minuto depois. A velocidade no solo continuou oscilar entre 412 e 516 nós, até parar em 449 nós cerca de 6 minutos após o início, quando então a aeronave virou para a caminho da Cidade do Panamá.

Um meteorologista informou que havia muita ocorrência de ondas de gravidade na área. Houve relatos de pilotos na hora anterior e após o incidente indicando turbulência, mas apenas moderada.

O Airbus A319 foi levado para Medelín no último dia 6 de fevereiro, e ainda não decolou para qualquer outro voo até o encerramento desta matéria.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.