Antonov 26 caiu por estar com 8 mil quilos, acima de seu limite, denuncia ex-operador

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Acidente Antonov AN-26 Sudão do Sul
Destroços do Antonov AN-26 após o acidente – Imagem: Woja Emmanuel/Eye Radio via AvHerald

Temos acompanhado, nos últimos dias, uma polêmica envolvendo a queda de um avião no Sudão do Sul e as condições precárias da aviação no país africano.

Conforme reportamos no sábado, dia 22, o avião cargueiro Antonov AN-26 da South West Aviation ficou completamente destruído ao cair pouco depois de decolar, deixando apenas 1 sobrevivente entre os 9 ocupantes.

Ainda no mesmo dia, o Presidente do país emitiu uma carta comentando sobre a fatalidade, e destacando que se faz necessário um maior rigor na aplicação das regras internacionais de aviação pelas autoridades do Sudão do Sul, com objetivo de combater os frequentes acidentes que têm ocorrido.

Agora, um novo capítulo ganha destaque na evolução do caso. Segundo apurou o The Aviation Herald, o ex-operador do Antonov AN-26 (Gateway Export Aviation) denuncia que o avião estava voando com 8 mil quilos (8 toneladas) a bordo, mais de 50% acima do limite aprovado de 5,5 mil para o modelo, o que pode ter contribuído com a queda.

Segundo a Gateway Export Aviation, o cargueiro não estava mais operando em seu nome desde março de 2020 devido a uma desapropriação feita ilegalmente em benefício da South West Aviation, “orquestrada” por esta empresa em acordo com a Autoridade de Aviação Civil e o Ministro dos Transportes do Sudão do Sul.

Na séria acusação, a Gateway ainda declara: “Temos feito processos judiciais desde março para reivindicar a aeronave ou o dinheiro investido na aeronave quando a consertamos, mas todas as nossas reivindicações não foram ouvidas ou consideradas pelas autoridades que mencionei acima, elas bloquearam todas as nossas solicitações.”

Antonov AN-26, semelhante ao acidentado – Imagem meramente ilustrativa

Segundo relato do sobrevivente da queda, houve um grande estrondo do motor direito e a aeronave começou a descer. O comandante disse que eles estavam voltando para o aeroporto e o motor estava sendo desligado. No entanto, a aeronave aparentemente não conseguia virar e não conseguia manter a altura, culminando no acidente.

Segunda a Gateway, a South West operou a aeronave desde março sempre violando as normas dos regulamentos, de forma que “este acidente é causado por uma sobrecarga de 8 toneladas ao invés de 5,5 toneladas”.

Se já não bastassem as condições precárias sociais e da aviação do Sudão do Sul, se a acusação for realmente procedente (vale a dúvida, já que há um conflito de interesses envolvido), faz-se ainda mais triste imaginar que o acidente ainda pode ter sido consequência de negligências que envolveram as próprias autoridades que deveriam fiscalizar a aviação do país.

Você pode rever a carta emitida pelo Presidente clicando aqui.

Errata: atualizamos a matéria com a informação de que a aeronave decolou com 8 toneladas totais, e não com 8 toneladas acima do limite.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias