Sem voos de passageiros, Antonov é fretado para levar 125 mil pacotes de correio

A situação da Pandemia do Coronavírus distorceu o setor aéreo a um ponto que um dos maiores aviões do mundo está fazendo algo inédito: transporte de correios e encomendas.

Divulgação – Antonov Airlines

O Antonov An-124 Ruslan, operado pela própria fabricante através da Antonov Airlines, cumpriu uma missão um tanto quanto inédita. A aeronave levou 50 toneladas de pacotes, envelopes e cartas do correio ucraniano, o Ukrposhta.

O voo ocorreu no último dia 31 de outubro, entre Kiev, na Ucrânia, e Nova Iorque, nos Estados Unidos. Os dois países não foram ainda reconectados por voos diretos, sendo que a volta das operações está prevista apenas para dezembro, e com capacidade limitada por ser em um Boeing 737 num voo de 12 horas de duração, como mostramos aqui.

Agora, segundo a Ukrposhta, foram transportados 125 mil pacotes de uma só vez, dando vazão às encomendas acumuladas no país. O voo charter conta com a parceria da empresa aérea Windrose, que coletou as encomendas no interior do país para serem concentradas no voo do An-124.

A grande dificuldade, segundo a própria Antonov, é que a carga era composta de vários objetos de pequeno volume e não paletizados, já que geralmente são embarcados em porões de aeronaves menores ou dentro de contêineres.

Como consequência, o embarque da carga foi demorado e precisou de algumas adaptações, como uso de dois tratores-esteiras, além de muito empilhamento feito com as mãos e uma rede para segurar toda a carga, como fica evidente na foto que você viu no início desta matéria.

An-124 Ruslan da Antonov Airlines, mesmo utilizado na operação dos correios

Apesar de ser o segundo maior avião cargueiro do mundo, atrás apenas do An-225, o An-124 foi feito para transportar cargas extremamente pesadas, grandes e indivisíveis. A aeronave não foi projetada para transportar contêineres de carga aérea tradicional ou carga “solta”, como é o caso dos pacotes do correio.

Os correios ucranianos também preveem que mais voos serão feitos semanalmente com o Ruslan até o final do mês, sendo que em dezembro outras aeronaves deverão ser utilizadas no fretamento. Os voos com o An-124 fazem uma parada em Shannon, na Irlanda, antes de seguirem para Nova Iorque.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Boeing 737-300 ex-Transbrasil sai da pista e derrapa até parar na...

0
A aeronave, que estava realizando um voo de carga, ao pousar no aeroporto ultrapassou o limite da pista e foi parar em um gramado.