Apenas 9% dos voos planejados estão operando na América Latina e Caribe

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Frota da Copa estacionada no Panamá

O diretor-executivo e CEO da Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (ALTA), Luis Felipe de Oliveira, falou hoje à imprensa da região sobre o contexto econômico da indústria da aviação neste período de pandemia do novo coronavírus e as perspectivas para os próximos meses. Segundo Oliveira, a recuperação na região será lenta.

“O tráfego aéreo na América Latina e Caribe seguia uma tendência de alta até então, com 16 anos seguidos de crescimento ininterrupto, mais de 300 milhões de passageiros transportados só em 2019, e a estimativa agora é de que a linha de crescimento só seja retomada em meados de 2022”, completou, acrescentando que sem o respaldo dos governos dos países da região, muitas empresas do setor não serão capazes de sobreviver por mais de 8 meses de crise.

O diretor-executivo da ALTA informou que, atualmente, 91% da aviação na América Latina e no Caribe estão parados e que o impacto deste cenário se estende por todo o setor.  Reiterando dados da IATA, Oliveira disse que as perdas na região são estimadas em US$ 18 bilhões, com risco de redução de 2.9 milhões de empregos. De acordo com a Organização Mundial do Turismo (UNWTO), no setor de viagens e turismo as perdas serão de mais de US$ 32.bilhões. Só no Brasil, serão de US$ 1,79 bilhões.

Luis Felipe de Oliveira ressaltou que os dados do último relatório de tráfego da associação, relativo ao movimento do mês de fevereiro de 2020, ainda não refletiram os impactos da pandemia no setor aéreo latino-americano, com exceção do tráfego internacional, de 1%, cuja queda é um indicativo da redução dos vôos entre a região e a Europa , já afetada por medidas restritivas em fevereiro.

Para o próximo relatório, que trará em maio dados do movimento aéreo do mês de março de 2020, os dados preliminares mostram uma redução de 25% do tráfego aéreo – redução de 21% dos mercados domésticos e de 29% dos vôos a partir de e para a América Latina e o Caribe.

O diretor-executivo da ALTA deu destaque ao fortalecimento do transporte de cargas na região desde o início do impacto da Covid-19. O tráfego de aeronaves de carga intrarregional (em vôos dentro da America Latina e

Caribe) cresceu 65% em relação à primeira quinzena de abril de 2019. Os vôos internacionais extrarregionais (a partir de e para a região) tiveram crescimento de 26% versus a primeira quinzena de abril de 2019.

Luis Felipe de Oliveira informou que, na próxima semana, representantes de diversas entidades representativas do setor aéreo vão discutir ações conjuntas para a retomada das operações. Segundo ele, a recuperação deve começar com o reinício dos vôos domésticos, seguidos dos regionais e depois, dos vôos internacionais. “A estimativa é de que os vôos domésaticos voltem a operar entre final de maio e início de junho, mas tudo vai depender do comportamento da pandemia. O importante é que a retomada aconteça de forma coordenada para que haja um renascimento da indústria de forma harmônica.”, completou.

Informações da ALTA

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias