Após a pandemia, Alitalia será totalmente estatizada e voltará ao tamanho que tinha em 1957

A crise causada pela pandemia da Covid-19 tem varrido o caixa das empresas aéreas mundo afora e certamente fará vítimas. Mas, para a Alitalia, parece que o destino lhe salvou, embora tenha que passar por uma reestruturação pesada a fim de tornar seu negócio sustentável quando todo esse caos estiver superado.

Avião Boeing 777 Alitalia

Antes da epidemia atingir a Itália em cheio, o governo do país havia estabelecido um prazo para que interessados fizessem propostas pela compra total ou parcial da empresa, que há anos passa por dificuldades financeiras. No entanto, com a crise batendo à porta e a evidente falta de propostas, o governo decidiu intervir para salvar sua empresa aérea de bandeira.

A partir da criação de uma nova empresa pública, atualmente chamada de “Newco”, o governo injetará mais de um bilhão de euros e tomará o controle total. Atualmente, 51% já pertencem ao governo italiano através da Ferrovia dello Stato e do Ministério dos Transportes.

Uma mini-Alitalia

Segundo reporta o SkyNews, a transformação da companhia aéra está a cargo do comissário extraordinário Giuseppe Leogrande, cuja visão é a de ter a Alitalia de volta como uma empresa totalmente pública, mas, pelo menos na fase inicial, com dimensões muito pequenas. Ele lembra que, nos últimos anos, a empresa apenas sobreviveu graças aos empréstimos de centenas de milhões que o governo concedeu ao longo dos anos

O cronograma está apertado uma vez que, após 3 anos de impasses e muito dinheiro injetado na empresa, sua liquidez está se esgotando. O objetivo é criar a Newco em pouco mais de um mês, embora o cenário ainda encontre resistência de sindicatos, que pedem um plano de crescimento futuro mais claro. A ideia do governo é que a nova empresa represente apenas um quarto da atual.

De início, a capacidade será realmente mínima. A Newco partirá de uma frota de 25 a 30 aeronaves, ou seja, aquelas que estão voando neste momento durante a emergência Covid-19. Somente para dar um contexto, esse número refere-se a um quarto da frota, que possui 113 aeronaves e é o mesmo nível que a empresa tinha em 1957, quando possuía 37 aviões e 3.000 funcionários.

Embora seja uma situação difícil para o mundo, ela vai passar e tudo voltará ao normal em algum momento. Para a Alitalia, a crise lhe trouxe esperança, uma vez que a estatização completa é uma salvação para a empresa aérea que chegou a ser ameaçada de ter suas portas fechadas.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Boeing 727 da Total sofre dois trancos fortes em voo e...

0
Um incidente com Boeing 727-200 da Total Linhas Aéreas foi registrado no Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA)