Início Indústria Aeronáutica Após um ano para ser esquecido, Boeing começa 2021 superando a Airbus...

Após um ano para ser esquecido, Boeing começa 2021 superando a Airbus na aviação comercial

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Imagem: Steve Lynes / CC BY 2.0, via Wikimedia Commons

Depois de um ano desastroso, tanto pelos cancelamentos de encomendas pelos impactos da pandemia na aviação global quanto pelos atrasos na recertificação do 737 MAX e no andamento de outros projetos, a Boeing fecha o primeiro mês de 2021 com algo a comemorar em relação a sua concorrente direta Airbus.

Conforme vimos na semana passada, a rival europeia havia divulgado que seu mês de janeiro foi marcado por 21 entregas de aeronaves comerciais para 15 clientes diferentes, e nenhum novo pedido registrado.

Agora, segundo informações do Seattle Times, a Boeing mostra que entregou cinco jatos a mais no primeiro mês deste ano, totalizando 26 unidades. Essa é a primeira vez que tal inversão acontece desde que o 737 MAX foi colocado em solo há quase 2 anos.

Em termos de encomendas, a norte-americana também superou a Airbus, graças ao inesperado pedido da Atlas Air para 4 unidades do Jumbo cargueiro 747-8F, depois que a própria Boeing havia anunciado que as encomendas restantes da UPS seriam as últimas a serem produzidas na história do projeto 747.

Apesar das boas notícias, entretanto, elas vêm com ressalvas.

Primeiro, porque a Boeing perdeu mais 13 encomendas com cancelamentos, enquanto a Airbus não registrou nenhum cancelamento. Sem dúvida uma ótima melhora em relação às dezenas de cancelamentos da norte-americana em muitos dos meses de 2020, porém ainda uma perda líquida importante de 9 jatos neste janeiro de 2021.

Segundo, porque a maior parte das 26 entregas foi dos 737 MAX, enquanto os demais modelos da Boeing permaneceram em ritmo lento de entrega. Por algum tempo, os muitos MAX já produzidos e mantidos estocados deverão garantir um bom ritmo de saída de novos jatos da fábrica, mas somente até esse acúmulo se normalizar.

Assim, ficam as dúvidas: a Boeing será capaz de manter essa liderança por muito tempo? E até que ponto essa liderança, sustentada pelos 737 MAX acumulados, representa uma vantagem em termos financeiros?

Sair da versão mobile