Início Empresas Aéreas Após blefe sobre Londres, Virgin Atlantic cria planos para um hub em...

Após blefe sobre Londres, Virgin Atlantic cria planos para um hub em Manchester

Virgin

Ao que parece, o colapso da Thomas Cook tem gerado oportunidades para outras empresas aéreas do Reino Unido, que vêm mordendo o pedaço do bolo deixado pela operadora turística (que era) mais antiga do mundo. Depois da TUI, agora é a vez da Virgin Atlantic anunciar uma expansão inesperada em Manchester, conforme reporta o Travel Weekly.

Segundo o jornal, a Virgin Atlantic planeja se apoiar em dois pilares que foram notícia recentemente para tornar o aeroporto de Manchester num hub internacional de sua rede, com mais rotas de longo curso a partir dali.

Um desses pilares é a grande soma de rotas regionais conquistadas recentemente, após o acordo para iniciar a operação da Virgin Connect (novo nome da FlyBe, resultado de um consenso dos investidores, incluindo a Virgin), enquanto que o outro pilar é o hiato deixado pela Thomas Cook por ali.

Mais de 300 voos regionais através da Virgin Connect

Após alguns meses de negociação, o grupo do qual a Virgin faz parte anunciou na semana passada o novo nome da transportadora regional Flybe, que se torna Virgin Connect, e que tem mais de 300 voos em Manchester, sejam rotas regionais e domésticas. Durante um evento de celebração pela incorporação da Virgin Connect, o executivo declarou:

“Nós estaremos oferecendo mais voos para determinados destinos já no próximo inverno e estamos definitivamente explorando o potencial que se abriu em Manchester. Esse era originalmente o nosso plano, mas a morte da Thomas Cook nos dá uma oportunidade. Manchester é definitivamente a nossa segunda casa e é uma região que é mal servida tanto nos negócios como nas rotas de lazer. Esperamos desenvolver ainda mais a conectividade por aqui e estamos iniciando os voos já no próximo verão”, relatou o executivo.

Virgin

De fato, a empresa tem a possibilidade de explorar todo o potencial dos voos regionais para alimentar os voos de longo alcance. Atualmente, a Virgin já opera algumas rotas a partir de Manchester, como é o caso da consagrada rota Manchester-Los Angeles, que tem visto uma ocupação de 85%, maior do que a média da companhia, de cerca de 80%.

Conectividade é a palavra da vez

Conectividade é a mensagem geral da Virgin que, assim como o acordo da Flybe, também entrou numa joint-venture com a Air France-KLM e a China Eastern, bem como celebrou um acordo de codeshare com a transportadora brasileira GOL para se conectar à nova rota de Heathrow para São Paulo, começando na próxima primavera britânica (Março de 2020).

Além dos acordos, a companhia aérea também quer aumentar a sua conectividade em Heathrow, onde a Flybe tem apenas 12 slots. Jarvinen disse que isso era mais difícil por causa da alocação de slots, que a Virgin Atlantic há muito tempo alega ter sido injustamente concedida para sua rival, a British Airways. O executivo reiterou os apelos do CEO Shai Weiss, para que Heathrow aloque mais vagas para os concorrentes da BA quando a terceira pista de Heathrow for construída.

Recentemente, a Virgin havia anunciado o plano de uma expansão gigante em Londres, mas isso foi recebido pelo mercado como um grande blefe para pressionar o governo britânico a redistribuir os slots de Heathrow. Veja mais sobre isso na história abaixo: