Após uma década, Boeing 747-8F tem o primeiro ano sem encomendas

Dado que 2018 foi um ano estelar para pedidos de grandes aviões cargueiros, com 83 aeronaves encomendadas, 2019 talvez tenha ficado pálido em comparação. Ainda assim, o ano terminou com um respeitável valor de 28 jatos sendo adicionado à carteira de pedidos globais.

Avião Boeing 747-8F
Boeing 747-8F – Imagem: Boeing

Segundo informações do Cargo Facts, os pedidos para essas 28 aeronaves, consistindo em dezessete 777F e onze 767-300F, vieram de apenas cinco clientes: China Airlines, DHL, FedEx, Lufthansa Cargo e Qatar Airways.

Ao contrário de 2018, quando 72% dos pedidos foram feitos pelas principais companhias, em 2019 a DHL e a FedEx representaram apenas 54% dos cargueiros encomendados de fábrica.

Mas o que é especialmente digno de nota é que 2019 marca o primeiro ano desde 2010 em que o 747-8F não conseguiu angariar um único pedido.

A despedida do novo Jumbo

Em novembro, o Grupo Triumph começou a desativar sua planta localizada na Califórnia, que sempre foi a fabricante exclusiva das fuselagens do 747 desde 1966. A Boeing tem agora penas dezessete 747 restantes em encomendas, consistindo de treze -8F para a UPS e quatro para a Volga-Dnepr UK.

Imagem UPS 747-8F
Boeing 747-8F

Componentes estruturais para satisfazer as encomendas já foram todos produzidos, e a atual taxa de fabricação de 0,5 unidade por mês (ou seja, uma unidade pronta a cada 2 meses) leva ao último 747-8F sendo encerrado por volta do final de 2022.

Outra fábrica no Texas, que produz seções da cauda, estruturas do assoalho e outras partes, também será fechada no ano que vem, de acordo com a Bloomberg. Assim, fica incerto como a Boeing faria se ainda recebesse algum pedido adicional, embora seja bastante improvável diante do movimento de aposentadoria dos quadrijatos.

Em outro revés para o 747-8F no ano passado, a China Airlines, uma das maiores operadoras de versão anterior 747-400F, finalmente decidiu em 2019 que renovaria sua frota com o modelo 777F ao invés do novo Jumbo.

Agora é com o 777 e o 767!

Avião Lufthansa Cargo 777F
Boeing 777F

O Boeing 777F tem sido a espinha dorsal de muitas frotas de carga ao redor do mundo e é provável que se torne ainda mais predominante nos próximos anos, como mostram as 17 encomendas do ano passado. Adicionalmente, em breve o novo 777X deve ser certificado, com sua versão cargueira dando nova opção ao mercado.

Avião Boeing 767-300F TAM Cargo
Boeing 767-300F

Enquanto isso, a produção do Boeing 767-300F continua a todo vapor para as operações cargueiras expressas. Os 11 que foram encomendados em 2019 são destinados à FedEx, que já tem pedido para outros 50.

Cadê o A330F?

Avião Airbus A330-200F A330F
Airbus A330-200F

Além do 747-8F, outro modelo que não recebeu nenhuma encomenda em 2019 foi o Airbus A330-200F, porém o dado não causa tanta surpresa. De fato, a fabricante europeia não recebe pedidos de seu único cargueiro em produção desde 2015, quando a Turkish Airlines comprou quatro.

Nos últimos dez anos, ou desde seu lançamento, o A330-200F foi capaz de conseguir menos de 50 unidades encomendadas, e apenas 38 foram entregues até hoje. A última vez que a Airbus entregou um exemplar do modelo foi em fevereiro de 2017 para a Etihad Airways.

Confira a seguir os números de 2019, conforme dados da Boeing:

  • FedEx: 11 unidades do 767-300F
  • DHL: 4 unidades do 777F
  • Qatar Airways: 5 unidades do 777F
  • China Airlines: 6 unidades do 777F
  • Lufthansa Cargo: 2 unidades do 777F

Confira a seguir mais algumas matérias recentes sobre o mercado global dos grandes cargueiros:

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Vespa brasileira vira praga e ameaça aviação em aeroporto australiano

0
Uma vespa originária do Brasil tem provocado infestações e se tornou um perigo real para os voos que operam no local.