Após eleições, fundador da FlyBondi vai embora da Argentina e deixa dúvidas

O periódico argentino La Nación publicou uma matéria especial no dia de ontem em que replica as palavras de Julian Cook, fundador da FlyBondi, sobre suas perspectivas desanimadoras para o futuro da aviação no país vizinho.

Avião Boeing 737 Flybondi

Segundo o jornal, a atitude de Julian soou como uma batida com a porta na cara. Já em abril, chateado com a política comercial, ele enviou uma carta pessoal ao presidente Maurício Macri. Na semana passada, horas após as eleições, ele saiu do grupo de WhatsApp “Empresários pela mudança” e disse que estava voltando ao Reino Unido desiludido com o retorno de Cristina Kirchner ao poder.

“Caros, como todos os membros deste grupo, estou triste pelo resultado e não acredito que Cristina voltou”, ele começa, antes de revisar suas origens e realizações: “Decidi me mudar de Londres para cá em 2016 e arrecadei US$ 75 milhões para lançar o Flybondi. Hoje transportamos dois milhões de passageiros, 400.000 viajaram pela primeira vez de avião em suas vidas. A estrada era difícil com uma taxa de câmbio que passou de 16 para 60 (pesos por dólar), levando em conta que temos 70% de nossos custos em dólares”.

Julian, que deixou o cargo de CEO há um ano, mas continua sendo acionista, agora expõe argumentos semelhantes aos da carta para Macri. A diferença é o contexto, que agora ocorre imediatamente após o triunfo de Alberto Fernández. Durante a campanha, Fernández disse que Guillermo Dietrich, ministro dos Transportes, deveria ter vergonha porque a Flybondi ameaçava a “demolição da Aerolineas Argentinas e do sistema de voo do Estado”.

Sua mensagem no grupo então questiona o gerenciamento com a empresa estatal. “Infelizmente, o governo de Mauricio Macri ficou no meio do caminho de muitas maneiras, não fez uma reestruturação da Aerolineas Argentinas, que teve uma perda de US$ 680 milhões em 2018. Uma pena, quando o país tem 30% de pobreza. Hoje não sei como a Flybondi continuará com esse governo K (referindo-se à Kirchner). Já deixei minha posição de CEO e volto a Londres em dezembro, permaneço no conselho, por isso seguirei os próximos passos da Flybondi”.

Em um subgrupo menor em que Julian escreve, com cerca de 40 membros, o inglês aproveita a oportunidade para ser franco em sua visão do futuro. “Foram quatro anos intensos, aprendi muito e conseguimos muito, mas hoje tenho a sensação, como muitos, de que estamos voltando à situação anterior. Foi um prazer morar na Argentina, conheci e trabalhei com muitas pessoas brilhantes e tenho amigos aqui, o país é muito bonito… É uma pena sair, mas não vi outra alternativa. Vou deixar o grupo agora”, diz ele, antes de finalizar: “Desejo-lhes o melhor, amo a Argentina e espero que um dia ela deixará o peronismo, um câncer que destrói o país pouco a pouco por décadas. Abraços a todos, Julian Cook.”

O La Nación afirma que o grupo de empresários do Whatsapp ainda conta com 237 membros.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.