Após levar namorada ao cockpit, piloto é suspenso para sempre

Um comandante da companhia aérea Air Guilin foi banido do voar por toda a vida depois de convidar uma jovem para o cockpit do avião durante um voo.

Mulher cockpit Air Guilin piloto suspenso para sempre

Segundo o Global Times, á situação se iniciou com a publicação de uma foto, no último domingo, 03 de novembro, da mulher sentada no cockpit da aeronave com os dedos fazendo um sinal em forma de V e com uma bandeja de alimentos à sua frente.

De acordo com um comunicado da Air Guilin na segunda-feira, o incidente ocorreu no dia 4 de janeiro de 2019 no voo GT1011 de Guilin, no sul da China, para Yangzhou, província no leste da China.

O post de mídia social da foto também inclui um comentário atribuído à mulher, que disse que estava “muito feliz”. Segundo o portal de notícias de Xangai The Paper, a mulher, vestindo roupas civis na foto, está em um relacionamento com o piloto.

“O comandante violou os regulamentos da Administração de Aviação Civil da China (CAAC) ao permitir que uma pessoa não autorizada entre no cockpit”, dizia o comunicado da companhia aérea. “Os outros tripulantes envolvidos no incidente foram suspensos por tempo indeterminado e serão submetidos a uma investigação mais aprofundada pela companhia.”

Um representante da Air Guilin disse à mídia estatal Beijing Youth Daily que cada companhia tem suas próprias regras e, se o piloto decidir se candidatar a empregos em outras companhias aéreas, caberá a outras empresas decidir se devem ou não contratá-lo.

Internautas chineses criticaram o comandante e a Air Guilin nas redes sociais, dizendo que o piloto era irresponsável e arriscava a vida dos passageiros. Eles também pediram punições mais severas e supervisão mais rigorosa de pilotos e tripulantes de companhias aéreas.

A mulher também deve ser punida com cinco dias de detenção e uma multa de 2.000 yuans (US$ 284), disse Zhang Qihuai, vice-chefe da Associação Chinesa de Direito da Aviação, ao Global Times.

Zhang concordou com os internautas que o comandante havia colocado passageiros em perigo e deveria ser considerado um crime. “A segurança da aviação vem em primeiro lugar. Ninguém pode ser descuidado, muito menos violar a lei”, enfatizou ele.

A Air Guilin prometeu observar rigorosamente os regulamentos da CAAC para evitar incidentes semelhantes.

A queda do Aeroflot 593

Em 23 de março de 1994, um piloto do voo Aeroflot 593 da Rússia levou sua filha de 12 anos e seu filho de 16 anos para o cockpit enquanto estava de serviço. O avião colidiu com uma cordilheira na Rússia, matando todos os 75 passageiros e tripulantes a bordo.

Nenhuma evidência de mau funcionamento técnico foi encontrada, de acordo com relatórios relacionados, e analistas acreditam que as crianças tenham interferido no voo.

Outros casos recentes

Mesmo com o histórico do acidente na Rússia, os casos continuam acontecendo com frequência mundo afora.

Em outubro passado, o ministério da aviação civil do Egito disse que um piloto e um co-piloto foram suspensos após um vídeo que fez sucesso nas redes sociais ter mostrado a estrela egípcia Mohamed Ramadan pilotando um jato a caminho de Riyadh.

Segundo a mídia árabe, fontes do ministério da aviação civil confirmaram a autenticidade do vídeo, enfatizando que o avião pertence a uma empresa de jatos particulares egípcios, e não à companhia aérea EgyptAir.

Já no início desta semana, um vídeo que mostra uma bela jovem testando suas habilidades no controle de um voo comercial foi divulgado pelo site russo news.Ykt.ru.

Segundo o veículo, ele foi enviado por um leitor junto com uma mensagem afirmando que foi gravado durante um voo da empresa aérea IrAero, de Yakutsk a Batagai em 31 de agosto de 2019. A aeronave que aparece no vídeo é um Antonov AN-24, compatível com a frota da empresa russa.

A mulher, identificada pela mídia russa como Anna, foi filmada seguindo as instruções do comandante. “Puxe suavemente, agora para a direita, agora para a esquerda e puxe novamente”, podem ser escutados durante o vídeo:

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.