Após polêmicas, o pequeno aeroporto que recebe Jumbos pede isenção especial

Boeing 747-400 da Lufthansa partindo de Twente

A gestão do Aeroporto de Twente, na Holanda, apresentou um pedido à Inspetoria de Transporte e Meio Ambiente (ILT) para a isenção da construção de duas áreas de manobra (os chamados “turnpads”) nas cabeceiras da pista. O pedido inclui, segundo o próprio aeroporto, um relatório mostrando que as áreas nas laterais da pista são resistentes o suficiente para procedimentos de decolagens de grandes aviões.

A isenção está sendo solicitada para que o Aeroporto de Twente possa receber aeronaves maiores e permitir sua decolagem sem a referida área.

O pedido vem depois que, em junho de 2020, surgiu uma discussão com a ILT sobre a necessidade dessas áreas de manobra, após a chegada de seis Boeings 747-400 desativados da Lufthansa no aeroporto de Twente para armazenamento.

Como não há essa infraestrutura no Aeroporto de Twente e as áreas laterais ao longo da pista não eram consideradas fortes o suficiente, as aeronaves não tinham mais permissão para decolar.

Jumbos estocados em Twente – Imagem: Roy053 / Youtube

Esta disputa foi resolvida judicialmente especificamente para as seis aeronaves da Lufthansa, que tiveram autorizações especiais para decolar, embora, em abril deste ano, quando o prazo limite para as partidas dos Jumbos se aproximava do fim, o tribunal decidiu que os últimos jatos poderiam permanecer até o final do contrato de estocagem (junho de 2022).

A legislação internacional determina que um aeroporto precisa dessas áreas de manobra e de laterais resistentes para as aeronaves maiores (categoria de tamanho D, E e F). No entanto, a legislação também permite que um aeroporto solicite uma isenção para parte dessa infraestrutura, desde que a segurança seja mantida e existam circunstâncias especiais.

Os turnpads são, em princípio, necessários para um manuseio eficiente em um aeroporto sem taxiways até a cabeceira, permitindo que uma grande aeronave faça uma curva de 180 graus sob sua própria potência, de modo que a pista seja rapidamente liberada para a próxima aeronave.

No entanto, aeronaves de grande porte pousam apenas ocasionalmente no Aeroporto de Twente, de forma que a realização da curva na cabeceira não é necessária para eficiência e segurança. As grandes aeronaves não fazem curvas no aeroporto de Twente, mas são empurradas para trás por veículos de reboque após pousarem. Isso é rápido e seguro para a condição operacional do local.

As áreas de curva, portanto, não têm valor agregado para a segurança de voo no Aeroporto de Twente, alega a gestão.

O Aeroporto de Twente também conduziu pesquisas nos últimos meses sobre a resistência das laterais da pista. Uma agência especializada fez medições aleatórias que mostram que as bordas são robustas o suficiente e atendem aos requisitos internacionais para aeronaves de grande porte. Este relatório foi enviado ao ILT juntamente com o pedido de isenção.

Segundo a gestão do aeroporto, a isenção é solicitada para permitir que as grandes aeronaves possam decolar, já que Twente tem a ambição de realizar manutenção limitada de aeronaves e atender à demanda de estocagem, gerando mais receita.

Informações do Aeroporto de Twente

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Modern Logistics recebe de volta um dos seus Boeing 737-300 após...

0
O Boeing 737-300F da Modern Logistics, registrado como PR-YBC (msn 24219), voltou à sua base operacional em Campinas na sexta-feira (15)