Após pressão, Qatar decide cancelar o polêmico voo comercial que dura apenas 9 minutos

polêmico Qatar

A Qatar Airways está suspendendo o polêmico voo de 21 milhas náuticas (38 quilômetros) que havia começado a operar menos de um mês atrás entre Maastricht, na Holanda, e Liège, na Bélgica, de acordo com um reporte do site nltimes.

Com um tempo de voo de cerca de nove minutos, a transportadora estava tentando satisfazer as necessidades de um cliente específico que exigia que seus produtos fossem descarregados no aeroporto holandês.

Qual era o plano?

De acordo com o plano original, o voo QR8173 parte da base da companhia aérea em Doha, voa direto para Maastricht e, depois de descarregar seu frete, continua Liege, antes de assumir as pernas finais até a Cidade do México e, finalmente, para Los Angeles. No entanto, de acordo com dados da Flightradar24, o voo entre Maastricht e Liege foi operado em 3 e 10 de novembro, enquanto que os serviços semanais subsequentes, que estavam planejados, acabaram sendo cancelados e o voo foi feito direto na rota Doha – LIège.

Na prática, a parada em Maastricht não deveria ser mandatória, caso o cliente tivesse flexibilidade para ir buscar sua carga em Liège, a 38 quilômetros de distância. Infelizmente, não há detalhes sobre a carga, já que, por motivos de sigilo, a empresa aérea não divulgou detalhes da operação.

Da mesma forma, a Qatar não poderia operar voos diretos de Maastricht ao México por que, de acordo com uma entrevista que a empresa concedeu ao One Mile at a Time, “a pista de Maastricht não é longa o suficiente para permitir um voo direto e, por isso, decidiu reposicionar a aeronave em Liège – com uma pista mais longa – antes de continuar o voo até o México”.

Segundo dados dos respectivos aeroportos, a pista de Maastricht tem 2.750, enquanto Liège tem 3.650.

Polêmico

A ministra holandesa da Infraestrutura, Cora van Nieuwenhuizen, disse que quer que o governo proíba voos de carga tão curtos. Os deputados holandeses estão atualmente a ponderar a proibição de todo o tráfego aéreo em distâncias inferiores a 54 milhas náuticas (100 quilómetros) por terra.

O assunto é polêmico e a companhia aérea árabe foi duramente criticada pelo impacto ambiental causado por esse voo. Um conselheiro municipal de Liège chamou o voo de “verdadeira aberração ecológica”, segundo a Sudpresse. Com ironia, Pierre Eyben disse à publicação: “Acho que realmente batemos um recorde mundial… Podemos imaginar a terrível pegada de carbono deste voo? “

Avião Boeing 777F Qatar Cargo

Qatar diz que foi um serviço de carga pessoal

A companhia aérea não divulgou quais motivos pessoais poderiam isentar esse cliente de usar outros modos de transporte ou ir buscar sua carga em Liège. 

Algumas pessoas, no entanto, também foram firmes na defesa da Qatar. Eles sugerem que viajar de trem ou caminhão também teria uma grande pegada de carbono. Mas isso não é estritamente verdade. Obviamente, não sabemos o tamanho do conteúdo entregue ao cliente holandês.

Por tonelada métrica de frete e quilômetro de distância, o avião cargueiro criará cerca de 500g de emissões de CO2, é claro, dependendo do modelo. Em comparação, um caminhão pode criar 60-150g e um trem em torno de 30-100g, de acordo com este site

À medida que o mundo da aviação começa a fazer planos para se tornar neutro em carbono, os detalhes desse voo não vão a favor da Qatar Airways.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.