Após quase 40 anos, Air Canada diz adeus ao Boeing 767

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Air Canada anunciou que realizou o seu último voo com o jato Boeing 767, modelo que fez parte da frota da empresa desde 1982 e foi essencial na expansão internacional. O derradeiro voo aconteceu no dia de ontem (2) durante o serviço doméstico AC439, de Montreal para Toronto.

Avião Boeing 767 Air Canada

A história do Boeing 767 na Air Canadá começou em outubro de 1982 com um 767-200 de matrícula C-GAUB, que voou até 2005 antes de ser aposentado e mandado para o ferro-velho.

De lá para cá, a empresa operou 59 jatos 767, dos modelos 200, 200ER e 300ER, incluindo os da sua subsidiária de baixo custo, Air Canada Rouge, e da Canadian Airlines, que foi adquirida pela Air Canada em 2001. Embora os que pertencem à Rouge continuem por algum tempo, a Air Canada informou que também irá aposentá-los em breve, sem uma data certa divulgada.

Curiosidades e história

Boeing 767-200 da Air Canada em Zurique © Aero Icarus

O Boeing de matrícula C-FCAE bateu o recorde de mais horas voadas por um 767 no mundo: foram 138 mil horas entre 1988 e 2019, quando saiu da empresa para ser repassado à também canadense CargoJet Airways, que irá continuar operando o avião e aumentando o recorde.

Também foi com o meia-sete que a empresa se tornou a primeira canadense a fazer uma ligação telefônica entre um avião e uma pessoa na terra, em 1986 num voo entre Miami e Toronto.

No Brasil, o modelo da Air Canada operou por muitos anos na rota Toronto – São Paulo, sendo substituído nos últimos anos pelo Boeing 777 e, mais recentemente, pelo 787 Dreamliner, substituto oficial do avião na empresa.

Vale lembrar que o Boeing 767 foi o primeiro avião no mundo a receber a certificação ETOPS 120 minutos, que permite operar um voo de até 2 horas com apenas um motor funcionando. Esta capacidade foi aumentada para 180 minutos em 1988, permitindo tranquilamente que voos como de Toronto para Tóquio fossem feitos. Inclusive, essa rota, com 10.324 quilômetros, foi a mais longa já feita por um 767 na empresa, com duração de 13 horas e 45 minutos.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias