As coisas mais bizarras que os passageiros levam na bagagem – tem até tubarão

Não se pode subestimar nenhum passageiro e é por isso que a segurança dos aeroportos é tão reforçada em vários lugares do mundo. E, em meio à árdua tarefa e manter os aviões livres de perigos externos, os agentes de segurança acabam encontrando de tudo, até um tubarão morto.

Na semana passada, a Administração de Segurança do Transporte (TSA) dos Estados Unidos publicou um vídeo nas redes sociais em que lista de suas “10 melhores capturas de 2020”, detalhando alguns dos itens proibidos muito perigosos e estranhos que seus oficiais detectaram ao longo do ano.

“Nossos oficiais são super-heróis da vida real, ajudando a manter os passageiros seguros durante as viagens”, observou a TSA em uma postagem no Youtube, que também apresentou um videoclipe descrevendo cada item e onde foi confiscado. Assista.

Entre as dez coisas mais bizarras confiscadas dos viajantes, os oficiais da TSA pegaram passageiros carregando armas, incluindo um estilingue e um livro contendo facas escondidas, bem como alguns itens proibidos mais chamativos, como velas romanas e uma granada de fumaça (quem já jogou Counter-Strike vai se lembrar).

Mas é aí que a lista muda para o estranho, já que os oficiais da TSA encontraram um tubarão bebê morto, que foi encontrado flutuando em um conservante químico considerado muito perigoso para viagens aéreas. Em 2020, o pessoal de segurança também foi forçado a desmontar o que parecia ser uma bomba, apenas para descobrir que era um “umidificador caseiro para charutos de viajantes”.

Então, o que poderia superar um tubarão morto e uma bomba. De acordo com o TSA, algumas das principais capturas proibidas incluíram: droga escondida em todos os lugares possíveis; uma arma de cano longo escondida no forro de uma mala; e um dispositivo eletrônico suspeito que tinha o potencial de explodir inadvertidamente.

Finalmente, no primeiro lugar, a TSA resolveu fazer uma brincadeira. Qual foi a melhor captura do ano nas barreiras de imigração? Segundo eles, foi o casamento de dois agentes responsáveis pelos cães do aeroporto de Newark, em Nova Jérsei.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias