As curiosidades do voo de 15 mil quilômetros da Argentina à Austrália

O voo especial de repatriação com um Boeing 787 da Qantas entrou para a história como um dos mais longos já operados com passageiros pela companhia aérea, que voou 15.020 quilômetros de Buenos Aires a Darwin, pousando depois de 17 horas e 25 minutos.

Qantas Airways
Boeing 787-9 Dreamliner da Qantas – Imagem: BriYYZ de Toronto, Canadá, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Desde março de 2020, a companhia aérea australiana operou centenas de voos charter e de repatriação em nome do governo para levar os australianos para casa durante a pandemia da COVID19, voando para 31 destinos no exterior, incluindo 19 que não fazem parte da rede regular da companhia aérea.

A Qantas tem um histórico de estabelecer e quebrar recordes de voos de longo curso. Em 1989, um voo de entrega de um Boeing 747 partiu sem escalas de Londres a Sydney em 20 horas e nove minutos.

A Qantas também operou dois voos de pesquisa do Projeto Sunrise em um Boeing 787 de Nova York e de Londres direto para Sydney em 2019 com uma ocupação de passageiros bastante reduzida e um tempo de voo de mais de 19 horas cada.

O voo

O voo QF14 desta semana, no dia 5 de outubro, transportou 107 passageiros e voou sem escalas de Buenos Aires, na Argentina, a Darwin, na Austrália. O voo foi 522 quilômetros mais longe do que os voos regulares sem escala da companhia aérea de Perth para Londres, que começaram em março de 2018 antes de serem pausados ​​devido ao fechamento da fronteira internacional da Austrália durante a pandemia.

O voo decolou às 12h44 (horário local) em Buenos Aires, seguindo ao sul da Argentina, contornando a borda da Antártica, antes de cruzar a costa australiana às 17h28 (horário local) e pousar em Darwin às 18h39, horário local.

O primeiro voo sem escalas da Qantas entre Buenos Aires e Darwin voou inteiramente à luz do dia com condições atmosféricas tranquilas, ventos frontais médios de até 35 quilômetros por hora e temperaturas tão baixas quanto -75º Celsius durante a passagem sobre a Antártica.

Trajetória da aeronave no voo em questão – Imagem: RadarBox

Uma equipe de analistas de planejamento de voo passou o mês passado realizando um amplo planejamento de rotas com base nas condições do tempo e do vento no Oceano Pacífico e na Antártica.

O comandante Alex Passerini disse que a Qantas tem uma história de orgulho como pioneira em voos de longa distância devido à localização geográfica da Austrália em relação ao resto do mundo, e esta missão não foi exceção.

“A Qantas sempre aceitou um desafio, especialmente quando se trata de viagens de longo curso, e este voo é um excelente exemplo das capacidades e atenção aos detalhes de nossa equipe de planejamento de voo. Tivemos algumas vistas realmente espetaculares enquanto voávamos pela Antártica, o que foi um bônus extra para os nossos passageiros, que estavam muito felizes por estarem voltando para casa”, comentou o comandante.

O QF14 também marca a primeira vez que voos pousaram em Darwin chegando de todos os continentes habitados em um mesmo ano, todos operados pela Qantas.

Alguns fatos sobre o voo

QF14 de Buenos Aires – Darwin levou 17 horas e 25 minutos em uma distância de 15.020 km.

O voo foi operado em um Boeing 787-9, registro VH-ZNH, batizado de “Grande Barreira de Corais”.

Estavam a bordo 107 passageiros, mais 4 pilotos que estavam em rotação durante o voo e uma equipe de 17 tripulantes de cabine, engenheiros e pessoal de solo.

A rota partiu de Buenos Aires, sobrevoando o Oceano Pacífico e a Antártica, antes de cruzar a costa australiana perto da Grande Baía da Austrália e pousar em Darwin.

A aeronave operou com um volume máximo de combustível de aproximadamente 126.000 litros.

Informações da Qantas Airways

Leia mais sobre voos mais longos realizados:

Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias