Até 188 países podem banir voos por licenças falsas dos pilotos do Paquistão

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Airbus A320 PIA Pakistan
Imagem: Anna Zvereva / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

As companhias aéreas sediadas no Paquistão podem enfrentar a proibição de voar para até 188 países devido ao problema de licenças falsas de pilotos e ao não cumprimento dos padrões internacionais exigidos pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI, ou ICAO).

A situação é resultado do desenrolar das consequências do acidente do Airbus A320 da PIA – Pakistan International Airlines, a maior empresa aérea do país, que caiu sobre um bairro nas proximidades do aeroporto da cidade de Karachi em 22 de maio desse ano.

A queda aconteceu após os pilotos pousarem o jato sem os trens de pouso baixados, arrastarem os motores na pista e arremeterem para uma nova tentativa de pouso. Com os danos aos motores, a avião perdeu potência quando tentava a segunda aproximação e caiu a poucos metros do aeroporto.

PIA A320 Local Queda Karachi
Local da queda do A320 da PIA

Nos meses subsequentes, a equipe internacional de investigação descobriu que a aviação do Paquistão tem um sério problema de irregularidades em relação às licenças de voo de seus pilotos que, embora não necessariamente esteja relacionado ao acidente da PIA, levantou sérias preocupações quanto à segurança das operações das companhias aéreas do país.

Segundo relata o paquistanês The Express Tribune, devido às descobertas sobre licenças falsas, a companhia aérea PIA já foi impedida de voar para o Reino Unido e a União Europeia.

O golpe das falsificações veio à tona depois que Ghulam Sarwar Khan, o Ministro Federal da Aviação do Paquistão, revelou em agosto que 262 pilotos, incluindo 141 da PIA, possuíam licenças falsas.

Com isso, a ICAO, através de seu mecanismo para abordar Preocupações de Segurança Significativas (SSCs) aos seus estados-membros, emitiu um sério alerta à Autoridade de Aviação Civil do Paquistão (PCAA) sobre as questões de segurança.

Segundo o portal paquistanês, em carta datada de 3 de novembro, a ICAO afirmou que a PCAA não cumpriu os padrões internacionais relativos ao licenciamento e treinamento de pessoal em relação ao processo de licenciamento de piloto. Portanto, as aeronaves e os pilotos do país provavelmente serão impedidos de voar para 188 países no mundo.

Após o aviso da Organização, um porta-voz da Associação de Pilotos do Paquistão (Palpa) disse que isso “terá consequências graves e pode ser um desastre total para a indústria de aviação do Paquistão”.

A Associação declarou que vinha levantando essa questão desde junho de 2020, tendo encaminhado várias opções para reformular o sistema de acordo com as práticas internacionais e também tendo feito uma apresentação, mas infelizmente foi negligenciada pelas autoridades envolvidas.

A Palpa solicitou ao primeiro-ministro Imran Khan que intervenha e crie uma força-tarefa especial para tratar do assunto com urgência.

Relembre nas matérias abaixo alguns detalhes sobre o estranho acidente do A320 em maio.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Companhia aérea start-up colombiana quer voar até outubro com A320neo

0
A Ultra Air pode entrar em operação até outubro deste ano. A aérea deve voar inicialmente para 15 países e 29 destinos domésticos