Aviação europeia quer zerar emissões de poluentes até 2050

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Embraer E195-E2 KLM Cityhopper

O setor de aviação da Europa lançou um novo programa com o objetivo de zerar as emissões em menos de três décadas. O plano estabelece o compromisso para que todas as companhias aéreas, aeroportos, fabricantes e prestadores de serviços de navegação dentro da União Europeia (EU), Reino Unido e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) “emitam zero” até 2050.

A informação foi divulgada pelos nossos parceiros argentinos do Aviacionline. O programa “Destination 2050 – A Route to Net Zero European Aviation” é o primeiro plano pan-europeu de longo prazo da indústria a propor soluções concretas para o desafio das emissões. O projeto é uma inciativa conjunta de cinco associações aeronáuticas europeias: Airport Council International Europe (ACI EUROPE), AeroSpace and Defense Industries Association of Europe (ASD Europe), Airlines for Europe (A4E), Civil Air Navigation Services Organisation (CANSO) e European Regions Airline Association (ERA).

As associações acreditam ser possível descarbonizar 100% em 29 anos, a partir de quatro medidas específicas e alinhando o setor com as metas climáticas da UE. No entanto, ressaltam a necessidade de um quadro nacional de financiamento e políticas de estímulo. De acordo com as medidas propostas, 85% das emissões poderiam ser reduzidas por meio de melhorias na tecnologia de aeronaves e motores, 34 % pelo uso de combustíveis sustentáveis, 8% com a implantação de medidas econômicas e 6% com a melhoria na gestão do tráfego aéreo e operação de aeronaves.

O programa Destination 2050 está enquadrado no Acordo de Paris, no Pacto Verde Europeu e no recente Relatório sobre a Recuperação da Aviação Europeia, que convida as partes interessadas a aderirem ao Pacto da União Europeia para Aviação sustentável até o final deste ano.

O plano, embora ambicioso, tem o apoio tanto da indústria, quanto dos governos. Para as companhias aéreas, o projeto estimula investimentos em inovação e descarbonização, enquanto os gestores nacionais acreditam que a medida vai fornecer políticas consistentes e estáveis que reduzam o risco de investimento e melhorem a economia como um todo.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias