Avianca Brasil celebra seu 15º aniversário; veja sua trajetória

Airbus A320neo é a última geração na frota da Avianca Brasil

A Avianca Brasil celebrou nesta terça-feira, dia 19 de setembro, o seu 15º aniversário. A empresa que começou como taxi aéreo e teve por muitos anos uma participação tímida no mercado, hoje é a que mais cresce mesmo em tempos de crise e é uma das favoritas dos passageiros.




A companhia iniciou suas operações em 1998 como taxi aéreo, atendendo principalmente a região dos Lagos no estado do Rio de Janeiro. Ali fica a Bacia de Campos, que concentra grande exploração petrolífera e era o seu principal gerador de tráfego: transporte de pessoal do setor petroleiro. Este setor é o principal negócio do Synergy Group, conglomerado brasileiros dos irmãos German e José Efromovich. Os irmãos Efromovich caíram de páraquedas no setor da aviação quando receberam duas aeronaves como pagamento de uma dívida e começaram a utilizá-las para transportar funcionários das empresas de petróleo, segundo a revista Exame.

Embraer E120 Brasília e suas diversas cores

Em 2002 iniciou suas operações regulares como Oceanair com aeronaves Embraer E120 Brasília que, assim como o Fokker F-50, eram pintadas cada uma em uma cor diferente, sempre chamando a atenção dos passageiros. Operava rotas regionais pelo país atendendo cidades do interior, como Campos e Macaé no Rio de Janeiro, São Carlos e São José dos Campos em São Paulo, além de Ipatinga e Montes Claros em Minas Gerais.

Fokker F-50 também coloriu os céus do Brasil

Chegou ao número de 10 aeronaves em 2003 com grande presença do Sul ao Norte do país, principalmente no interior dos estados. No ano seguinte, 2004, o Synergy Group adquiriu a colombiana Avianca, adotando seu esquema de pintura na Oceanair, que ainda mantinha marca própria. Em 2005 recebeu o Fokker 100, entrando de vez na era à jato. O avião foi um dos ícones da empresa e recebeu a designação Mk.28 na empresa.

Fokker 100 recebeu a designação Mk.28 na empresa

O primeiro Boeing chegou na empresa no final de 2007. Era o 757-200 PR-ONF que, por um curto período, operou rotas nacionais de alta densidade na companhia, como Guarulhos – Recife. Os Boeings ainda retornaram para a companhia pouco depois, quando a Oceanair assumiu algumas rotas da então recém-falida BRA, incorporando o Boeing 737-300 e o 767-300, este último o primeiro widebody da empresa. O Boeing 767 operou as rotas domésticas de alta densidade assim como o primeiro voo internacional da companhia para o México, que durou alguns meses entre 2007 e 2008.

757 foi o primeiro Boeing da companhia

As rotas da BRA e suas aeronaves que foram incorporadas pela Oceanair não se mostraram um bom negócio, e a companhia aposentou todos os seus remanecentes Boeings em 2009. Querendo reverter a situação, em 2010 foi adotada a marca Avianca Brasil, igual a marca da Avianca da Colômbia. Neste mesmo ano foram encomendadas as suas primeiras aeronaves Airbus, recebendo quatro unidades do A319 no mesmo ano, e o A318 e A320 no ano seguinte, sendo até hoje a única operadora do Babybus (apelido ao menor avião da Airbus, o A318) no Brasil.

Boeing 767 foi a primeira aeronave de dois corredores (widebody) na então Oceanair

Com a introdução do Selo Dimensional da ANAC, que mede a distância entre poltronas (pitch) nas companhias e as classifica, em 2011 a  Avianca Brasil foi a única a ganhar o selo A, com o maior pitch de todas as aéreas no Brasil. Em 2012 atingiu o crescimento de 84% e atualizou sua marca em 2014, juntamente com a empresa irmã colombiana. Neste ano ela entrou no mercado de cargas com o Airbus A330-200F, primeiro e único A330 cargueiro no país.

Icônico Boeing 737-300 operou por pouco tempo na Oceanair

Os últimos anos continuaram com grandes mudanças e novidades na empresa. 2015 foi o ano de entrada na Star Alliance, maior aliança de cias. aéreas do mundo, sendo atualmente a única brasileira na aliança que já contou com Varig e TAM. Em 2016 foi a primeira companhia aérea da América do Sul com Wi-Fi a bordo, estando novamente na vanguarda da inovação. E apesar do ano de 2017 ainda não ter acabado, aponta ser o ano da Avianca Brasil, que recebeu os primeiros A330-200 de passageiros e inaugurou rotas internacionais para Colômbia, Chile e EUA. No âmbito nacional, retornou os voos para Belo Horizonte e inaugurou rotas para Foz do Iguaçu e Navegantes, além de receber o moderno Airbus A320neo.

A330 é o avião símbolo da companhia hoje e opera rotas pelas Américas

O futuro parece ser brilhante para a companhia, que almeja ter 15% do mercado (atualmente detém 12,8% de participação). É a companhia que tem mais crescido nos últimos meses, com novos destinos nacionais que se conectam com os novos voos para Santiago do Chile, Bogotá, Miami e Nova Iorque, e um terceiro destino nos EUA será decidido até o final do ano, segundo o CEO José Efromovich, que também espera que a empresa receba o seu primeiro Airbus A350XWB até 2020.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos