Avinter, nova empresa aérea uruguaia quer voar para o Brasil

No Uruguai a agência de aviação civil local, a DINACIA, recebeu um pedido para uma nova aérea, a Aerovías Internacionales del Uruguay S.A. ou Avinter.

Concepção artística da pintura da Avinter baseado no seu logo atual

A aérea será fundada por investidores estrangeiros que deverão capitalizar $100 milhões de dólares, segundo reportou o portal de notícias LaRed21. A frota da empresa será composta por oito aviões (ainda a serem definidos) e deverá operar rotas domésticas e internacionais, incluindo para o Brasil.

Apesar de não ter modelo definido, dada a capacidade das pistas uruguaias em que pretende operar, a empresa ficará limitada aos modelos Q400 e CRJ da Bombardier (que hoje respectivamente pertencem à Viking Aircraft e Mitsubishi), ou o turboélice francês ATR 42/75 e como última opção o jato brasileiro Embraer E145.

As rotas domésticas solicitadas até o momento são de Montevidéu para Salto e Rivera, que também serão servidas a partir de Punta del Este

Para voos internacionais as rotas planejadas são para Buenos Aires e São Paulo a partir de Montevidéu e Punta del Este. Outra rota será Colonia – Buenos Aires, atravessando o delta do Rio da Prata.

É esperado que a empresa faça os voos de prova para certificação entre outubro e novembro, começando a operar até dezembro, a tempo da alta temporada do verão sul-americano.

O Uruguai há anos tenta estabelecer uma aérea nacional sólida, mas tem falhado. A Pluna e a sua sucessora Alas Uruguay são os maiores exemplos, além da BQB, que foi vendida para o grupo boliviano Amaszonas. Além disso a Azul chegou a tentar abrir uma empresa no país que já foi um estado brasileiro, mas devido a demora e burocracia local, desistiu dos planos.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos