Início Empresas Aéreas Azul está falando com ‘lessores’ para tentar comprar sua rival Latam...

Azul está falando com ‘lessores’ para tentar comprar sua rival Latam Brasil, diz jornal

Apesar do fim do codeshare, a Azul Linhas Aéreas parece realmente disposta a comprar a LATAM Brasil, e seu CEO vê até uma posição favorável do CADE.

© AEROIN

As duas empresas, que são hoje as brasileiras com a maior presença internacional, anunciaram nessa semana o fim do acordo de compartilhamentos de voos (codeshare). O comunicado, de supetão, chamou a atenção do mercado, mais ainda porque a Azul disse estar pronta para ser protagonista numa eventual consolidação de mercado – entenda-se “fusão de empresas”.

O acordo de codeshare permitia, por exemplo, que passageiros da Azul comprassem um trecho com a companhia e voassem o seguinte com a LATAM, e vice-versa. Logo de início surgiram vários rumores sobre uma possível fusão ou compra das empresas no futuro, dada a posição virtualmente menos favorável da LATAM, que está em Recuperação Judicial.

Desde o início do acordo, o CEO da Azul, John Rodgerson, deu sinais amistosos à fusão, mas o da LATAM, Jerome Cadier, sempre negou qualquer plano de unificação.

O assunto, no entanto, voltou a ser tema no mercado. E ontem, mais do que nunca, esta afirmação fica mais clara, segundo uma entrevista de Rodgerson ao Estadão. O executivo confirmou a ideia de comprar outra empresa, defendendo que a consolidação poderia ser saudável para o mercado e que o CADE aprovaria o processo, já que a sobreposição de rotas das empresas é pequena.

A Azul se beneficia de operar para mais de 110 destinos no Brasil, sendo metade destes de maneira exclusiva. Sem ou com a LATAM, o monopólio destas rotas já existe por falta de apetite das empresas rivais, e não teria onde o CADE combater.

“Acreditamos que o mercado de aviação poderia passar de três para dois players e isso seria saudável”, afirmou o CEO ao Estadão.

Avianca Brasil v2?

E hoje, mais um ponto surgiu para dar combustível aos rumores da fusão: Segundo o Valor Econômico, a Azul estaria conversando com os lessores da LATAM para que eles pressionem a empresa chilena a vender a parte brasileira.

Os lessores são bancos e financeiras que compram aviões e os arrendam para as empresas aéreas. A LATAM é a empresa que possui mais aviões próprios no Brasil como mostramos nesta análise exclusiva, porém, em meio à crise tem devolvido a maioria de seus aviões alugados.

Ainda segundo o periódico, as negociações com os Cueto, que comandavam a LAN Chile e hoje estão à frente do Grupo LATAM, não avançaram, e a Azul partiu para o plano B.

Na época da Recuperação Judicial da Avianca Brasil, esta conversa foi frutífera, já que os lessores retomaram os aviões da empresa de Efromovich e imediatamente repassaram para a Azul, além de terem, como credores, pressionado a Avianca para aceitar o acordo da Azul.

No final, a Avianca acabou aceitando a pressão da LATAM e da GOL, e preferiu dividir a empresa em UPI (Unidades Produtivas Isoladas) e leiloar cada uma separadamente, para garantir maior aporte. O plano acabou fracassando, já que a empresa não teve capacidade de emitir os Certificados de Operador Aéreo para cada UPI, e sucumbiu, sendo que a Azul assumiu maioria das rotas, pessoal e aviões.

Caso o plano da Azul seja bem sucedido, será a terceira empresa aérea que a companhia fundada por David Neeleman adquire: a primeira foi a TRIP Linhas Aéreas e a segunda foi a TwoFlex Táxi Aéreo, hoje Azul Conecta.

Sair da versão mobile