Azul não mais receberá os aviões Embraer E2 nos próximos anos

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Embraer E195 E2 Azul
Embraer E195-E2

A Azul anuncia hoje (13) a negociação de um acordo com a Embraer para adiamento de entregas de 59 aeronaves E2 previstas entre 2020 e 2023
para a partir de 2024. Essas aeronaves têm preço de tabela de R$24,5 bilhões.

Em resposta aos impactos do COVID-19 no setor aéreo, a Azul rapidamente adotou medidas para preservar o seu negócio. Com o novo ambiente de demanda, ajustou a sua malha reduzindo em 90% a sua capacidade no mês de abril comparado com 2019.

A Companhia também está reduzindo os custos e despesas com folha de pagamento em mais de 50% comparado com o mesmo período do ano passado.

“A Azul entrou nessa crise como uma das companhias aéreas mais rentáveis do mundo. Não há precedentes para o tamanho do impacto da pandemia na economia brasileira e global, e o momento de recuperação ainda permanece incerto. Com a contribuição de todos os nossos stakeholders, acreditamos que iremos sair dessa crise como uma empresa ainda mais forte”, disse John Rodgerson, CEO da Azul.

O CEO ainda afirmou que esse acordo com a Embraer para adiar as próximas entregas de aeronaves começando em 2024 é um componente importante do plano de recuperação da companhia, o que permite criar um caminho com liquidez para percorrer esta crise. “Com esse suporte, somos capazes de garantir os recursos necessários para otimizar a companhia aérea que seremos no futuro”, completou John.

A Companhia continua trabalhando com seus parceiros em seu plano de otimização de frota e manterá o mercado informado sobre novos desenvolvimentos.

Após o anúncio da Azul, a Embraer comentou sobre como está o cenário de suas encomendas de aviões até o momento atual. Confira na matéria abaixo.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Boeing 737 arrasta-se pela pista após falha de trem de pouso

0
O mais grave da situação não foi o acidente da aeronave em si, mas uma deficiência que poderia ter levado a um fim muito pior.