Azul recebe proposta de financiamento de R$2 bilhões do BNDES

A Azul Linhas Aéreas acaba de receber uma proposta de financiamento híbrido do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) no valor de R$ 2 bilhões.

A empresa anunciou há pouco ao mercado que recebeu da BNDES Participações S.A. (BNDESPAR) e um consórcio de bancos uma proposta, sujeita a aprovações finais, de apoio financeiro no âmbito do Programa Emergencial de Apoio aos Setores atingidos pelos efeitos da crise decorrente da pandemia do COVID-19.

A Proposta encaminhada prevê uma oferta pública de um instrumento financeiro híbrido com objetivo de captar no mínimo R$ 2 bilhões, que consiste numa combinação de: (i) debêntures simples e bônus de subscrição, cujos valores serão determinados através do processo de bookbuilding da oferta.

Prevê também que a BNDESPAR seja o investidor âncora podendo subscrever até 60% da oferta enquanto os Bancos prestarão garantia firme de até 10% da mesma. O valor remanescente deverá ser captado junto a outros investidores através da oferta
pública.

A empresa estima que a emissão do bônus de subscrição resultará em uma potencial diluição de aproximadamente 15% baseado no preço de fechamento da ação da Azul na última sexta-feira (11).

Considerando a retomada da demanda por voos e a posição de caixa da Companhia, ambas mais favoráveis do que inicialmente estimado, o Conselho de Administração da Companhia analisará a proposta da BNDESPAR juntamente com outras alternativas de financiamento disponíveis. A Azul manterá o mercado informado sobre evoluções relevantes sobre o assunto.

Pela Assessoria de Imprensa da Azul Linhas Aéreas

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Boeing 737 tem todos os pneus principais estourados no pouso

0
No estranho incidente na tarde da sexta-feira, algo levou todos os pneus do trem de pouso principal do Boeing 737 a estourarem no pouso.