Balanço 2019: Desempenho de novos voos internacionais no Brasil

EXCLUSIVO – O ano de 2019 foi de consolidação e contou algumas novas rotas internacionais para o Brasil, veja num balanço o desempenho de uma parte desses novos voos.

Balanço

Nesta matéria especial vamos lembrar algumas das rotas internacionais começaram ou recomeçaram a operar entre o final de 2018 e o início de 2019, bem como ver um balanço do seu desempenho até novembro do ano passado.

Assim como em 2018, a LATAM encabeçou o ranking de abertura de rotas, sendo o maior destaque a rota mais exótica do ano, ligando São Paulo às Ilhas Malvinas / Falklands. Essa ligação é fruto de um acordo da empresa aérea e dos governos dos países envolvidos (Argentina, Brasil e Inglaterra), para o transporte de cargas e mais opções para os moradores da ilha.

Os dados foram obtidos junto à base do AEROIN e da ANAC, e contemplam novos voos internacionais iniciados entre dezembro de 2018 e novembro de 2019. Os percentuais abaixo mostram a taxa de ocupação média da rota em cada mês. Veja os dados:

LATAM

Avião Boeing 787 LATAM Airlines
Imagem: LATAM Airlines

A LATAM, neste ano, lançou vários voos internacionais, mas todos operados por tripulações estrangeiras, com exceção da inédita rota para as Falklands/Malvinas, que é feita com funcionários brasileiros.

  • São Paulo (GRU) – Tel Aviv (TLV)
    • Início: 12 de dezembro de 2018
    • Aeronave: Boeing 787-8 para 247 passageiros
      • Ocupações: ver no gráfico abaixo
Balanço GRU-TLV
Dados de 2019
  • Brasília (BSB) – Santiago (SCL)
    • Início: 15 de outubro de 2019
    • Aeronave: Airbus A320 para 174 pax
      • Ocupações:
        – Outubro: BSB-SCL 60% / SCL–BSB: 80%
        – Novembro: BSB-SCL : 71% / SCL-BSB: 68%

  • Brasília – Lima
    • Início: 14 de novembro de 2019
    • Aeronave: A320 – 174 pax
      • Ocupações:
        – Novembro: BSB-LIM: 90% / LIM-BSB: 89%

  • São Paulo (GRU) – Falklands / Malvinas (MPN)
    • Início: 14 de novembro de 2019
    • Aeronave: 767
      • Ocupações:
        – Novembro: GRU-MPN: 23% / MPN-GRU: 7%

SKY Airline

A SKY retornou ao Brasil após uma reestruturação que a transformou numa companhia de baixo-custo (low-cost). Desde então, tem feito voos sazonais e regulares para diversas cidades brasileiras.

  • Florianópolis (FLN) – Santiago (SCL)
    • Início: 8 de novembro de 2018
    • Aeronave: A320 – 186 pax
      • Ocupações: ver gráfico abaixo
Balanço FLN-SCL

  • Rio de Janeiro (GIG) – Santiago (SCL)
    • Início: 8 de novembro de 2019
    • Aeronave: A320 – 186 pax
      • Ocupações: ver gráfico abaixo
Balanço GIG-SCL

  • São Paulo (GRU) – Santiago (SCL)
    • Início: 17 de dezembro de 2018
    • Aeronave: A320 – 186 pax
      • Ocupações: ver gráfico abaixo
Balanço GRU-SCL

Flybondi

Avião Boeing 737-800 Flybondi batismo água
Boeing 737-800 da Flybondi no Rio de Janeiro

Outra low-cost estrangeira que iniciou as operações no Brasil foi a argentina Flybondi, após muito aguardo começou os voos para o Rio de Janeiro saindo de Buenos Aires.

  • Rio de Janeiro (GIG) – Buenos Aires (EZE)
    • Início: 11 de outubro de 2019
    • Aeronave: 737-800 – 189 pax
      • Ocupações:
        • Outubro: GIG-EZE: 69% / EZE-GIG: 89%
        • Novembro: GIG-EZE: 83% / EZE-GIG? 95%

Azul

A brasileira Azul continuou conservadora nos voos internacionais, focando na forte expansão doméstica. Um voo novo e inédito foi lançado na rota Campinas – Porto, em Portugal. Lembramos que o voo Belo Horizonte – Fort Lauderdale foi iniciado iniciou poucos dias atrás e dados de ocupação ainda não estão disponíveis.

  • Campinas (VCP) – Porto (POR)
    • Início: 3 de junho de 2019
    • Aeronave: A330 – 271 pax
      • Ocupações: ver gráfico abaixo

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Extra: CADE aprova unificação das malhas aéreas de LATAM e DELTA

0
A Delta Air Lines e a LATAM Airlines Group S.A. e suas afiliadas (‘LATAM’) receberam do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), no Brasil