BNDES financia 1ª exportação da nova família de jatos da Embraer

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou o primeiro financiamento às exportações da nova família de jatos comerciais da Embraer. A operação de até US$ 85 milhões visa à exportação de aeronaves do modelo E190-E2, o primeiro membro da família de E-Jets E2, para a empresa aérea regional norueguesa Widerøe.




O contrato comercial entre a Widerøe e a Embraer prevê a possibilidade de exercício de opções de compra de aeronaves E2 nos próximos anos, o que poderá resultar num total a ser exportado de até 15 aeronaves. A Widerøe é a maior companhia aérea regional da Escandinávia e será a primeira companhia aérea no mundo a receber o novo E190-E2. O primeiro voo comercial está previsto para o dia 24 de abril, na Noruega.

A Noruega tem a causa ecológica como uma de suas principais bandeiras (é, inclusive, o principal doador de recursos ao Fundo Amazônia, de que o BNDES é gestor), e a aquisição do primeiro E2 por uma empresa aérea do país atesta o produto como o mais ambientalmente amigável em sua categoria. De acordo com a Embraer, os novos sistemas e motores do E190-E2 proporcionam uma economia da ordem de 17% no consumo de combustível, bem como menor emissão de gases e ruídos, em comparação à primeira geração do E190.

Além de financiar a comercialização das primeiras aeronaves de um modelo recém-lançado, abrindo um mercado, o BNDES esteve presente no próprio desenvolvimento da nova família de jatos Embraer. Entre 2014 e 2015, o Banco destinou R$ 1,2 bilhão ao projeto, em linha com sua prioridade estratégica de apoiar investimentos em inovação.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa do BNDES.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.