Início Aviação Militar Boeing 707 que pertenceu a ditador volta a voar após quase uma...

Boeing 707 que pertenceu a ditador volta a voar após quase uma década parado

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Um clássico Boeing 707 VIP que pertenceu a um ditador europeu ficou quase uma década sem voar, mas agora está de volta aos céus para uma nova missão.

Avião Boeing 707-300 Romênia
© Pedro Aragão [CC]

A aeronave pertencia ao governo do ditador Nicolae Ceaușescu, que governou com punhos de ferro a Romênia entre 1965 e 1989, até ser tirado do poder por uma revolução no país europeu.

O jato operou para o governo Romeno e para a companhia aérea de bandeira do país, a TAROM. Mas desde 2013 o 707 não voava, e agora foi reativado para voltar ao serviço, que será um tanto quanto não usual.

A história do 707

Um fato curioso sobre a história deste exemplar é que a Romênia até 1989 era próxima da URSS, mas operava com jatos americanos, os “inimigos” dos socialistas. Mas o ditador Nicolae não era tão fiel ao bloco soviético.

O quadrijato 707 foi parte de uma encomenda da companhia aérea junto à Boeing para quatro aviões do modelo, mas dois foram para o governo. Inclusive de início foi retirada apenas a logo da TAROM e substituída pelo nome oficial do país na época: Republica Socialistă România.

© Perry Hope [CC]

Note na aeronave que o nome parece bem familiar em português, e não é por acaso. A língua romena é uma língua latina, não distante do nosso português. Durante todo esse período de operações na Romênia, a matrícula utilizada foi YR-ABB.

Após a revolução no país e a queda da URSS, o jato parou de servir ao governo e foi para a companhia aérea LAR, também estatal assim como a TAROM. Com o fim da LAR em 1997, o jato foi para a nova aérea estatal, a Romavia.

Mas, pouco tempo depois, foi transferido para servir à presidência romena de novo, tendo trocado apenas as letras finais de Romavia para Romania.

O jato foi tirado de serviço em 2010, sendo comprado dois anos depois pela americana Omega Air por 2 milhões de euros (R$11 milhões em dias atuais).

Seu último voo, porém, foi em 2013 para o Aeroporto de Brunswick, no estado americano da Geórgia, onde foi matriculado para N707GF. De lá para cá, ficou aguardando ser acionado para sua nova missão: reabastecimento em voo.

A nova missão do 707

A Omega Air Tanker é uma empresa privada de reabastecimento em voo, e agora ganhou um contrato junto à força aérea dos Estados Unidos, a USAF, que está tendo problemas com o novo Boeing KC-46 (767-200ER reabastecedor). A USAF disse que irá precisar de reabastecedores privados para atender a sua demanda.

A empresa já opera com dois 707 para reabastecimento em voo, além de um trijato Douglas DC-10 (designado KDC-10). Agora, o N707GF seguirá para o Texas, onde será convertido para reabastecedor e equipado com as sondas de reabastecimento em voo, além dos demais sistemas internos associados.

Com informações do portal The Drive – Warzone

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A