Boeing 737 quase decola da taxiway e é avisado pela torre para abortar

Avião Boeing 737 Transavia

Um Boeing 737-800 da Transavia performou um incidente grave nesta terça-feira (17) ao iniciar uma decolagem na Holanda, segundo reporte do The Aviation Herald.

A aeronave da matrícula PH-HSJ preparava-se para decolar no voo HV-1041 de Amsterdã (Holanda) para Chania (Grécia) e taxiava na taxiway Charlie (C) para a cabeceira 18C por volta das 06:00 na hora local (04:00 horário Zulu).

Quando a tripulação avisou que estava pronta para decolar, foi liberada pelo controlador. Mas, antes de chegar na pista, virou à esquerda na taxiway Delta (D) ao invés da pista 18C e começou a acelerar.

Veja na imagem a taxiway C mais à direita, a pista 18C mais à esquerda e a taxiway D entre elas.

Mapa Aeroporto Amsterdã Schiphol
Mapa do Aeroporto de Amsterdã

Ao notar que a aeronave estava tentando decolar da taxiway, o controlador instruiu a aeronave a abortar. A tripulação rejeitou a decolagem ainda em baixa velocidade (cerca de 50 nós, ou 92 km/h) e diminuiu a velocidade com segurança.

Após a ocorrência, o Boeing 737 taxiou novamente na pista 18C e partiu cerca de 10 minutos depois.

O DSB (Dutch Safety Board, órgão de investigação da Holanda) foi notificado, que informou que “Uma investigação abreviada sobre a ocorrência foi aberta.”

Um detalhe na radiocomunicação entre os pilotos e a torre enquanto a aeronave ainda seguia pela taxiway C permite concluir que a tripulação acreditava estar na taxiway D.

A tripulação perguntou “Podemos pegar a intersecção W2?”. Veja na imagem acima que a W2 só pode ser acessada pela taxiway D, não tendo ligação com a C.

A torre, no entanto, explicou (em holandês), que isso seria uma intersecção para a taxiway D, mas parece que isso não restaurou a consciência situacional da tripulação.

Um outro caso de incidente por falta de consciência situacional ocorreu recentemente com um A320neo da Air India, que pousou em uma pista em construção. Veja o caso na matéria a seguir.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.