Boeing 737 venezuelano com resgatados do Covid-19 faz pouso de emergência na Amazônia

Na quarta-feira, dia 18 de março, um clássico avião do modelo Boeing 737-300 pertencente à companhia aérea venezuelana Estelar, com 118 passageiros a bordo, foi forçado a pousar num pequeno aeroporto da Amazônia venezuelana após passar por um problema técnico grave a bordo.

O Boeing 737 de registro YV642T fazia o voo ES8568 de Buenos Aires a Caracas e mantinha voo nivelado a 33.000 pés de altitude (~11 mil metros) quando, subitamente, os pilotos tiveram que mudar seus planos. Após declarar emergência aos controladores de tráfego aéreo, a tripulação decidiu prosseguir para um pouso de emergência no pequeno aeroporto Cacique Aramare, em Puerto Ayacucho.

Após o pouso, o avião foi cercado por militares, segundo o The Aviation Herald, mantendo os passageiros dentro da aeronave sob um calor de 40 graus até que fosse definido o que fazer. Havia, naquele momento, o medo de que potenciais contaminados pelo Covid-19 a bordo pudessem trazer risco para a pequena cidade interiorana, que não possui infraestrutura para dar conta de um surto do vírus. Após várias horas de espera, outro avião resgatou os passageiros.

Outro avião resgatou os passageiros

O pouso na Amazônia pegou a alguns de surpresa, já que o mandatário venezuelano Nicolas Maduro havia ordenado desde o dia 14 de março a suspensão de todos os voos domésticos e internacionais no país no intento de brecar a disseminação do Coronavírus no país. No entanto, cabe-se salientar que um punhado de voos de resgate foi autorizado pelo governo local, sem que houvesse um novo anúncio à população, daí a surpresa.

O que aconteceu

As causas do incidente não estão totalmente claras. Logo após o evento, a Estelar emitir uma nota culpando uma despressurização a bordo. “A Aerolineas Estelar, desde seu centro de controle operacional, vinha acompanhando a aeronave”, dizia a empresa em nota.

Mas alguns passageiros contestam a explicação da empresa, alegando que a aeronave precisou desviar devido à falta de combustível. De forma honesta, não é possível confirmar nenhuma das duas hipóteses, mas ambas são casos graves e que precisam de uma investigação completa.

https://twitter.com/Astroguia_ve/status/1240382807039520768

Qual o alcance do 737

A bem da verdade, esse é um voo longo que costumava ser feito com aeronaves maiores, como o A340-300. Mas o Boeing 737-300 também tem autonomia para tal, em teoria. No entanto, ainda assim é um percurso bastante desafiador para esse modelo, que chega ao destino no limite do combustível.

Note que a distância entre Buenos Aires e Caracas é de 5.106 km, quando a autonomia de um Boeing 737-300 varia de 4.176 km a 5.370 km, dependendo da ocupação, conforme dados da Boeing.

Ou seja, na melhor hipótese, e voando leve, o avião chegaria a Caracas com apenas 260 km de combustível disponível, é uma margem muito apertada. Enquanto isso, Puerto Ayacucho está localizado a 555 km ao sul de Caracas.

Vamos esperar o que vem das investigações para poder entender melhor o que aconteceu nesse caso.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

Comentários estão fechados.