Boeing 747 faz incrível decolagem ao voltar a voar, mas seu destino será triste

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Jumbo Boeing 747-400 Lufthansa
O Jumbo decolando de Twente – Imagem: Lufthansa

Ao longo da última semana, acompanhamos o desenrolar da polêmica que envolveu seis grandes aviões Jumbos da Lufthansa no aeroporto de Twente, na Holanda, na qual os jatos ficaram impedidos de voltar a voar.

Desde a chegada dos Boeings 747-400 no aeroporto, em julho de 2020, a perspectiva era de que eles fossem desmontados no próprio local, que conta com empresa especializada neste tipo de serviço. Porém, uma mudança de planos fez com que fosse tomada a decisão de retirá-los de lá.

Entretanto, a autoridade holandesa que regulamenta os transportes no país definiu que aviões tão grandes como os Jumbo Jet não poderiam decolar de Twente, pois o pequeno aeroporto não oferece condições adequadas de segurança para operações de partida.

Após o impasse, o responsável pelo aeroporto e a autoridade holandesa conversaram sobre a situação, e entraram em um acordo na última quinta-feira (29), definindo que seria aberta uma exceção para a decolagem dos seis 747s, desde que observadas todas as medidas de segurança necessárias, e que algo do tipo não deve voltar a ocorrer no futuro.

Agora, nesta terça-feira (03), o primeiro dos jatos finalmente partiu de Twente, em um curto voo até Frankfurt, na Alemanha, já que a decolagem deveria acontecer com o menor peso possível da aeronave, ou seja, apenas com o combustível necessário para um voo de reposicionamento. E a partida foi de tirar o fôlego, com uma incrível subida de alta razão:

FlightRadar24 Voo 747-400 Lufthansa Twente
O Jumbo voando até Frankfurt – Imagem: FlightRadar24

Apesar da partida, entretanto, o destino do Jumbo, de matrícula D-ABVP, não será voltar a voar comercialmente, ao menos não por enquanto. Segundo a Lufthansa, ele partirá em breve no voo LH-9872 para o Aeroporto de Mojave, nos Estados Unidos, região desértica onde aviões são estocados, seja para aguardarem um novo interessado, seja para serem definitivamente aposentados e desmontados.

Infelizmente, a opção da desmontagem parece ser o fim dos Boeings 747-400 da Lufthansa, a menos que alguma empresa do segmento de cargas decida convertê-los para cargueiros. Isso porque, com a crise gerada pela pandemia, o mercado de transporte de passageiros está se desfazendo da maioria dos aviões de quatro motores, mantendo apenas uma limitada quantia de exemplares de produção mais recente.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Cliente que lançou o Boeing 787 fará voos especiais na celebração...

0
A All Nippon Airways (ANA) celebrará o 10º aniversário da entrada em serviço do Boeing 787, modelo do qual foi a lançadora, com voos