Boeing 767 ex-Varig tem chama no motor após pneu estourar e fará pouso de emergência

Um Boeing 767 que pertenceu a Varig teve fogo no motor após um pneu estourar durante a decolagem, e fará um pouso de emergência.

Boeing 767 Varig

O voo Air Canada 837 operado pelo Boeing 767-300ER G-GHOZ decolou de Madri para Toronto às 14h57 horário central europeu. Durante a corrida de decolagem um dos pneus do trem de pouso dianteiro (trem de nariz) estourou e parte da borracha foi parar no motor esquerdo do avião.

Em consequência desta ingestão da borracha, o motor sofreu um “surto” e chamas foram vistas saindo do mesmo. É comum o motor ter essa chama que é chamada de “flame-out” quando algo não esperado entrar dentro do mesmo. Veja o vídeo gravado logo após a decolagem que mostra a chama saindo do motor:

Isto ocorre porque com a entrada do objeto, ele danifica partes internas do motor e interfere na razão de combustível e ar que é jogada na câmara, o que pode causar uma má queima do combustível em um primeiro instante e depois a queima já fora do motor, o Lito do Aviões & Músicas explica isso muito bem:

Pouso de emergência agora

Neste momento o jato está fazendo diversas órbitas (voltas) próximo ao aeroporto de Madri. Isto é necessário para queimar combustível e também fazer o chamado dumping fuel que é o alijamento do querosene no ar.

Pelo que se nota pelo mapa do FlightRadar24 que você pode acompanhar clicando aqui, o jato está fazendo isso em uma área afastada da grande Madri, que é o procedimento correto, o que um Boeing da Delta não fez e acabou contaminando crianças de uma escola em Los Angeles.

A expectativa é que o jato pouse nos próximos minutos em Madri. Jornais locais reportaram que o avião levava 130 passageiros. Acompanhe abaixo a transmissão ao vivo em vídeo pelo Facebook:

Ex-Varig

Antes de servir na Air Canada, este Boeing 767 foi da brasileira Varig. Na companhia nacional foi o PP-VPW. Ficou oito anos na pioneira até, quando saiu em 2005, pouco antes da empresa fechar as portas.

Antes da Varig ele pertenceu à Canadian Airlines International, que ironicamente foi fundida à Air Canada, que hoje opera a aeronave.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Unindo Portugal e Espanha, Iberojet é a mais nova empresa aérea...

0
Uma nova companhia aérea ibérica irá surgir com a fusão de duas empresas de Portugal e Espanha, que formarão a Iberojet.