Boeing 777 cujo motor pegou fogo volta a voar, mas vai direto para um ‘cemitério’

O fim da vida do Boeing 777-200 da United Airlines que teve graves problemas com um dos seus motores em voo, no mês em fevereiro, pode estar próximo já que o avião foi enviado para um conhecido “cemitério” de aeronaves.

O caso do problema com o motor do referido jato aconteceu em fevereiro, como mostramos aqui, e chamou a atenção pelas imagens impressionantes e também pelo fato de várias peças, algumas bastante grandes, terem caído na vizinhança do Aeroporto de Denver, de onde o jato tinha decolado. Apesar do susto, nenhuma pessoa ficou ferida e apenas pequenos danos materiais no solo foram registrados.

O ocorrido porém, gerou vários desdobramentos, com suspensão temporária das operações dos Boeing 777-200 equipados com motores Pratt & Whitney, e a abertura de uma investigação que ainda está em andamento. Meses depois, com algumas medidas de remediação já tomadas, a própria United já tinha até colocado o modelo para voar novamente, embora o exemplar envolvido no incidente não tivesse retornado desde fevereiro.

No entanto, parece que um destino para tal aeronave está sendo dado agora. Segundo dados da plataforma de rastreamento de voos RadarBox, o jato decolou recentemente de Denver rumo a Victorville, cidade que fica no deserto californiano e é próxima de Los Angeles, sendo conhecida por ter um cemitério de aeronaves em seu aeroporto.

Lá diversos aviões são armazenados por anos no clima seco e também desmontados, dando fim à sua vida – o clima árido favorece a preservação da aeronave e seus componentes.

Não é possível afirmar que o 777 de matrícula N772UA será desmontado, mas o simples fato de ter sido levado a Victorville torna essa uma hipótese muito plausível. Não apenas pelo incidente, mas também pela idade da aeronave (26 anos), num momento em que as empresas buscam jatos mais novos e eficientes. Por outro lado, Victorville conta com um avançado centro de manutenção, pintura e conversão da própria Boeing, abrindo a possibilidade para que a aeronave tenha outro fim que não seja o sucateamento.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Advogada que perdeu audiência por causa do cancelamento de voo será...

0
Por decisão da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba, a empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras S/A deverá pagar a quantia