Boeing 777 faz o voo mais curto do modelo no Brasil ao buscar 1º satélite 100% nacional

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Pela primeira vez em São José dos Campos um Boeing 777F pousou, realizando o voo mais curto do modelo no país, e para uma missão muito especial.

Foram apenas 18 minutos no ar entre o Aeroporto Internacional de Guarulhos e o de São José dos Campos, no Vale do Paraíba. A distância em linha reta entre as duas cidades é de apenas 67 km, fazendo com que seja o voo mais curto já feito no Brasil feito pelo maior bimotor do mundo. O recorde anterior era de diversos voos de translado entre Viracopos e Guarulhos, que distam 83 km entre si.

O translado de hoje foi para buscar em São José dos Campos o satélite Amazônia-1, primeiro fabricado 100% no Brasil e que será lançado na Índia.

O Boeing 777F no pátio de São José dos Campos

Ao todo foram necessários 52 contêineres especiais para transportar com segurança os módulos do satélite, que pesa 638 kg. Em sua jornada, o voo faz uma primeira escala em Dacar, no Senegal, depois faz mais um pouso em Dubai, nos Emirados Árabes. De lá, segue para o destino final em Sriharikota, na Índia. A previsão é que a duração do deslocamento até o destino final seja de aproximadamente 24 horas.

O Amazônia-1 é o primeiro satélite de observação da Terra completamente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil. É um projeto coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI) em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI).

Um dos carregamentos do satélite sendo embarcado no 777F

“Queria parabenizar a todos que têm trabalhado durante muitos anos neste projeto. Os engenheiros, os técnicos, enfim, todos aqueles que se dedicaram ao desenvolvimento deste satélite. Parabéns ao INPE, parabéns à Agência Espacial Brasileira, vinculados ao MCTI, parabéns a toda a equipe do ministério envolvida no projeto”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

A previsão é que o Amazônia-1 seja colocado em órbita terrestre, em fevereiro/2021, pelo lançador PSLV da ISRO (Organização Indiana de Pesquisa Espacial) a partir do Centro de Lançamento Sriharikota, na Índia.

O satélite ficará em uma altura de 700 km e terá a missão de fornecer dados (imagens) de sensoriamento remoto para observar e monitorar o desmatamento, especialmente na região amazônica.

O Boeing 777 cargueiro partindo de São José dos Campos

Com seis quilômetros de fios e 14 mil conexões elétricas, o Amazônia-1 será o terceiro satélite brasileiro de sensoriamento remoto, em operação junto ao CBERS-4 e ao CBERS-4A. Este último foi levado no ano passado também de São José dos Campos, porém, por um Boeing 747, como mostramos aqui em primeira mão:

Com informações do INPE e do Ministério da Ciência e Tecnologia

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Primeiro Embraer da Força Aérea Americana recebe vistosa pintura da II...

0
A Força Aérea Americana (USAF) está próxima de receber oficialmente seu primeiro A-29 Super Tucano, e terá uma pintura muito especial.