Boeing 787-9 da United tem quarto problema e faz pouso a mais de 350 km/h

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Parece que uma manutenção mais minuciosa será necessária em um dos Boeing 787-9 Dreamliner da frota da United Airlines, uma vez que, em uma semana, a aeronave apresentou quatro problemas que o fizeram retornar ao seu ponto de partida.

É provável que você se lembre de quando, na semana passada, reportamos sobre um Boeing 787-9 da United que teve que retornar por três vezes ao aeroporto de Tóquio entre os dias 2 e 4 de julho. Em todas as situações, a ocorrência foi a mesma e problemas com o sistema de flapes obrigaram os pilotos a desviarem suas rotas originais e a pousarem em seu aeroporto de origem com velocidades acima do normal.

Após três dias de trabalhos em solo japonês, as coisas pareciam estar controladas e o bimotor conseguiu finalmente voltar aos EUA, por São Francisco, em 5 de julho. No dia seguinte ainda fez um voo de traslado para Chicago e, de lá, partiu para Roma. Até aí, tudo normal, aparentemente.

No entanto, em 7 de julho, quando decolou para fazer o voo cargueiro UA2860 da capital italiana para Newark, o problema voltou a aparecer.

Pouso a 191 nós

Ao observar uma indicação incorreta no sistema de flaps da aeronave, os pilotos do Boeing pararam a subida quando estavam a 15.000 pés (~ 5 mil metros) e reduziram a velocidade para 300 nós (~550 km/h), ainda no espaço aéreo italiano. Após solicitar o retorno ao controlador de tráfego aéreo e realizar uma órbita, os pilotos seguram ao seu novo destino, Roma, onde pousaram na pista 16R uma hora depois da decolagem.

Segundo o The Aviation Herald, o toque na pista se deu a 191 nós (~353 km/h), muito mais veloz do que os 153 nós (~283 km/h) esperados para o modelo, ainda que estivesse com o peso máximo de pouso (Maximum Landing Weight), segundo dados informados pela própria Boeing.

Os dados de conversão de Nós para Km/h foram obtidos do MetricConversions.org.

Imagem do FlightRadar24 evidencia a rota do UA2860

Nos três casos anteriores, não foram divulgadas as informações sobre as velocidades de pouso da aeronave, no entanto, como o problema foi o mesmo, é possível que elas tenham sido similares.

Mais tarde na semana, a empresa emitiu uma nota confirmando que “o voo de carga United 2860 de Roma para Newark retornou ao Aeroporto Internacional Leonardo da Vinci após um problema mecânico na partida. Nossa equipe de manutenção está realizando uma inspeção completa da aeronave”.

Dois dias após o incidente, o avião seguiu para Nova Iorque e Denver e tem previsão de fazer mais alguns voos internos nos EUA nessa semana, antes de assumir novos serviços transoceânicos.

Qual foi o problema

Os pousos da aeronave em velocidade acima do normal evidenciam um problema reportado nos flaps Krueger, cuja função, assim como a dos flaps do bordo de fuga da asa é o de aumentar a sustentação da asa, a partir do aumento de sua curvatura e elevação do coeficiente de sustentação. Isso possibilita à aeronave atingir ângulos de ataque maiores e manobras em velocidades mais baixas, sendo utilizados somente nas decolagens, aproximações e nos pousos.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias